quinta-feira, 22 de dezembro de 2005

Esse eh talvez o ultimo post do ano!! Feliz natal a todos!!


 


 


A vida e seus caminhos


Trouxe-nos até aqui hoje


O tempo veio junto


Trazendo as memórias


E nos dizendo que tudo é passageiro


 


Novamente iremos sonhar


Novamente iremos desejar


Depois de um ano de ambições


Um ano de planos


Acertos e erros


Ganhos e perdas


Sim e não


Vitórias e derrotas e empates.


 


Pessoas que entraram em nossas vidas


Durante esse ano


Outras que saíram


Outras, que vamos apenas lembrar,


Em momentos estranhos do nosso dia


Um ato, uma frase, um detalhe na vida,


Que trará para nossas mentes a lembrança daquela pessoa


 


Desejos apenas que ano que vem seja tão bom quanto este foi


Desejo para todos que o próximo ano seja o melhor de suas vidas


E o seguinte melhor, e depois melhor ainda,


Pois foram vocês que fizeram esse ano especial pra mim


Espero que eu tenha contribuído do mesmo jeito a vocês


 


Amigos, espero que os minutos,


Horas, dias, meses e anos,


Que se seguiram sejam os melhores


De nossas vidas.


 

Feliz natal a todos!! E um ano novo de sonhos e desejos realizados!

terça-feira, 20 de dezembro de 2005

A lua a Noite e a Solidão


Perguntas para a madrugada


 


Oh, noite!


Oh, lua!


Diga-me a onde esta


A donzela que toda noite


Vem ao meu leito se deitar,


Toca meu pescoço


Com seus lábios e dentes


Levando meu sangue,


Deixando seu cheiro,


Deixando o gosto da sua boca


Ao beijar a minha.


 


Ela que toda noite


Conta um pouco da sua estória


Me cativa com sua narrativa


Deixa-me apaixonado por sua “vida”


Com um beijo se despede,


Me deixando a pensar nela


Sem saber quando volta


E nem se volta.


 


Oh, noite!


Oh, lua!


Faz tempo que ela não vem


Suas marcas deixadas em mim


Já desapareceram.


Para lembra-la tenho apenas o seu cheiro doce,


Que ainda envolve meu quarto e meu lençol.


 


Oh, noite!


Oh, lua!


Por que ela me deixou aqui?


Vivo,


Mas fazendo-me preferir a morte à


Ficar sem ela.


 


Que vontade de sentir seu corpo


Que vontade de toca-la


Que vontade de dizer o que eu sinto


Que vontade de ir com ela


Para qualquer coisa,


Pra qualquer lugar,


Para morte eterna,

Se eternamente estiver com ela!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

bom.... desejos são passageiros amores são eternos, mas agente tem q cair na real... eh isso ae!


Tormento dos sonhos


 


Agora é você...


Que domina meus sonhos,


Invade meus pensamentos,


Passeia pelos meus desejos.


 


Eu queria te tocar,


Eu queria te sentir,


Mas a distancia nos impede,


Você não está aqui.


 


As palavras podem sair


E minhas frases a você chegar


Em meus sonhos sempre estás


Ao meu lado.


 


E novamente o tormento


A mim quer destruir


Pois desejo o que não tenho,


Sonho com o que esta distante,


Novamente amo o que eu não posso ter.


Será!?

sexta-feira, 9 de dezembro de 2005

O medo de sua arte incubrir o q eh... besteira vc eh a arte e arte eh o q vc eh!


A dor do Poeta a dor do artista


 


Você diz que ama o que escrevo


Você diz que minha arte a alegra


Você sempre quer ser presenteada


Você quer minhas frases apaixonadas


 


Mas o que você não vê


Que todos esses versos são seus


Que os olhos que eu desenho são o seus


E que a lagrima de que eu falo é


A minha lagrima que rola por não te ter


 


E no meio dessa dor em que me encontro


A duvida me invade


Não saber se o que amas é o que eu faço


Não saber se um dia desejaria o criador


E não a obra.


Não saber se desperto tanto desejo


Quanto minhas tristes palavras.


 


Então lhe peço minha musa


Meu desejo


Que esta em tudo que vejo


Me diga


O que queres  de mim?


Frases que a ti pertencem


Jogadas ao vento,


Ou jogadas ou seu ouvido

Em busca de seu beijo doce?

quinta-feira, 8 de dezembro de 2005

So pra dizer...

Bom...

nada a dizer

nenhum poema ha criar

não tenho nenhum sentimento

para homenager

tristesa apenas

 

 

ja que não amo mais ninguém

e a ninguém quero imprecionar

sem inspiração

sem desejo

eu estou a digitar

 

não busco consolo

não busco acalanto

busco apenas um motivo

para minhas lagrimas

em forma de palavras derramar...

 

nada porem a mim ocorre

nada para me ajudar...

minha ferida foi cauterizada

por um ferro em brasa

que penetrou minha ferida

e queimou suas paredes,

estancando o sangue,

almentando a dor por um momento

e depois a cura...

meus sentimentos morreram

com aquelas palavras:

o Ferro...

quinta-feira, 24 de novembro de 2005

lamento e mais lamento... puff... sem mais palavras para mim...


Idiota.


Mas você, roubou meu amor por um longo tempo


E pra você existem poemas de juras eternas


De carinho, de amizade.


Que por algum motivo, hoje...


Não tem sentido algum.


Todo o sentimento bom


Que a você pertenciam,


Hoje me dão dor e tristeza


 


E a minha amizade e companheirismo


Que a você ofereci, e desprezou.


 


Prometi a mim mesmo  que não mais choraria por você


Mas é impossível não sentir, a perda de uma amor


Mas também de uma grande amizade


Que tinha tudo pra ser eterna.


Mas como já disse antes...


Pena que as juras humanas


Padecem tão rápido...


 


Eu até poderia relevar,


Mas meu orgulho e amor próprio me impedem...


Sei também que nunca lerá minhas palavras


E nem ao menos se desculpar do que fez...


Ao que parece não fui nem serei nem um pouco importante.


 


Lagrimas ao vento,


Um sopro na escuridão,


Um lampejo de arrependimento...


Um grito de solidão


Amizades perdidas que nunca voltaram.  


 

sexta-feira, 18 de novembro de 2005

Desabafo


Desabafo

 

 

Para minha casca devo voltar

Vi que este não é meu lugar

Vi que a ti nunca pertencerei

E em seus braços nunca repousarei

 

Para minha casca devo voltar

Pois de lá não devia ter saído

Pois a dor hoje me corrói

Pelos pedaços de um coração partido

Uma alma dilacerada, pelo amor em vão cedido.

 

Para minha casca devo voltar

Sei que aquele é o meu lugar

Onde ninguém pode me ferir,

Nenhuma lagrima de mim, rolar.

Onde seus olhos não podem alcançar,

Onde seus desprezo não vai me machucar.

 

Para minha casca devo voltar

Lá, meus olhares, a ninguém vão incomodar,

Meus abraços não farão ninguém achar,

Estar sendo perseguido.

Pois lá eu sei, sou eu e mais ninguém.

A ninguém tenho que agradar,

A ninguém eu vou dar o odioso

Desprazer da minha presença.

Lá eu sou bem vindo.Minha casca, e eu.

segunda-feira, 14 de novembro de 2005

PELA PRIMEIRA VEZ... UM TEXTO Q Não é meu... pq não preciso fazer, essa musica ja diz tudo


Creep


Radiohead


 


When you were here before - Quando você estava aqui antes
Couldn't look you in the eye - Eu não podia nem te olhar nosolhos
You're just like an angel - Você é como um anjo
Your skin makes me cry - Sua pele me faz chorar
You float like a feather - Você flutua como uma pena
In a beautiful world - Em um mundo bonito
I wish I was special.-
Eu só queria ter sido especial
You're so fuckin' special - Você é tão especial

[ But I'm a creep, I'm a weirdo - Mas eu sou um verme, sou um esquisitão
What the hell am I doin' here? - Que inferno estou fazendo aqui?
I don't belong here ] - Eu não pertenço a este lugar

I don't care if it hurts - Eu não ligo se isso machuca
I wanna have control - Eu quero tomar o controle
I want a perfect body - Eu quero um corpo perfeito
I want a perfect soul - Eu quero uma alma perfeita
I want you to notice - Eu quero que você perceba
When I'm not around - Quando eu não estou por perto
You're so fuckin' special - Você é tão especial
I wish I was special.- Eu só queria ter sido especial

[ repeat ]
Uh-uh Uh-uh
She's running out again - Ela está fugindo de novo
She's running out - Ela está fugindo
She'll run run run run run - Ela vai fugir

Whatever makes you happy - O que quer que te faça feliz
Whatever you want - Queira o que quiser
You're so fuckin' special - Você é tão especial
I wish I was special - eu só queria ter sido especial
[ repeat ]
I don't belong here - eu não pertenço a este lugar




quarta-feira, 9 de novembro de 2005

Novamente você e o tempo.....


Novamente o tempo e você...


 


O tempo passa...


E nós evoluímos...


E com sua ajuda


Hoje eu estou bem melhor


 


E ao olhar no fundo dos seus olhos


A saudade do passado


E a vontade de sempre estar com você


E em seu abraço esquecer do futuro,


E poderia então o mundo acabar,


Pois com você nada eu temeria


Nossa amizade a tudo resistiria


 


Mas se tudo passa,


Esperaria que  nós


Parássemos no tempo


Pra eu nunca precisar te dizer adeus

domingo, 6 de novembro de 2005

ELES...





Eles....


 


Eles


Donos do mundo


Eles


Os maiorais


Eles, eles, eles nesse mundo,


Filósofos geniais


Perfeitos


Mostrando a mim todo os meus defeitos


Como seu eu fosse um peso a carregar


Ou um parasita querendo se alimentar!


 


Quem sou eu!!?


Quem são eles??


Com toda aquela alegria


Querem me machucar!


E ao mesmo tempo, fingem não ligar!


 


Dor!!!


Me fazem chorar!!


Como se esse não fosse o meu lugar!!


Mas...


Ninguém me conhece o bastante...


Ninguém sabe quem eu sou...


Ninguém me merece...


Ou ninguém me quer??...


 


Eles sabem de tudo


Eles jovens normais


Eles, eles, eles nesse mundo...


São in-reais!!


Vazios


E cheios de medo,


Mentindo pros outros e pra si mesmos!


 


Quem pode me julgar?


Não dou a chave,


 Pra ninguém entrar!


 


E quem a merece, não quer se aventurar!!


 


Não vão me encontrar....


Não vão nem procurar...


Perdido na noite pra qualquer lugar!


 


Nem sentiram minha falta


Dos meus enigmas insanos


Ninguém os entende


Ou ninguém quer ver


Ninguém me entende


Ou nem quer saber...


 


 


 


 


 

sexta-feira, 4 de novembro de 2005

Por que será??


Por que Será?


 


Por que será?


Que sozinho eu não sou nada


Nem uma gota d’água


Nem um grão de areia


 


Por que será?


Que sem você me sinto sujo


Sem você me sinto vento


Sem você eu não sou eu.


 


Por que será?


Que fico esperando a sua chegada


Que fico sonhando acordado


Que quero sempre estar ao seu lado


 


Quem me dirá?


Por que você não esta aqui


Por que é triste me despedir


Por que eu não paro de sentir?


Amor...


 


Seria mais fácil eu seguir meu caminho


E nas estradas do destino esquecer esse amor...


Se fosse fácil assim...


Se fosse simples...


Eu juro que iria,


E sem tristezas diria.

Adeus

sábado, 29 de outubro de 2005

Enfim.. a inspiração desperto meu dom, e venho aqui então clamar pela minha dor.


Sofrimento pedido


 


Encostei-me a ti sabendo que era vento


Sabendo que era tempo


Que passa e não volta mais


 


Abracei-te como ao um sonho


E por saber que era sonho


Deixei o sonho me levar


 


Por isso...


Sabendo que era folha


Que planava ao vento


Sabendo que o desejo


Em forma de acalanto


Não pude nem chorar


Não pude ao menos clamar


Quando a brisa soprou


Quando o tempo passou


Quando o sonho acabou


Quando o tempo à folha secou.

quinta-feira, 20 de outubro de 2005

A muito nada mais faz sentido... a verdade esta fora de minhas mãos


Nome da Tristeza


 


Ó miserável destino


Que me trouxe ate aqui


Não há céu


Não há terra


Não há sol a me cobrir


 


Na solidão do meu ser


Na angustia do meu mundo


E você bem devagar


Segue seu caminho


Sem ao menos se importar


 


Que a tinta caia sobre


Esse papel branco da minha vida


Onde o amor já quis pisar


Apenas manchas deixou


Nenhuma cor trouxe


Pra o meu mundo pintar


 


Não desenhou momentos felizes


Nem ao menos pintou o mar


De tristezas que hoje veio me afogar


 


Afronta-te o medo


Pare de chorar


Encontre em um só lampejo


O farol que te levará


 


Para a terra


Para a casa


Para o lar


Para a felicidade


Você mesmo venha pintar.

quinta-feira, 13 de outubro de 2005

A dor não tem nome... então esse texto tb não tem...


Amores que vem e vão


Sonhos de solidão


Carinhos de perdição


Canções de desilusão


Palavras que amargarão


Meu pensamento...


 


É um desejo que cai ao chão


Uma despedida sem compaixão


A serenata cantada em vão


Uma tristeza em meu coração


Resumido em um só lamento...


 


Como arvores ao vento


Em um só sofrimento


A essa dor me entreguei...


E a cada segundo,


A cada suspiro


Eu choro pelo que passou...


 


E em um canto úmido


Sozinho no escuro


Eu me aprisionei...


Para nunca mais voltar

sábado, 8 de outubro de 2005

esse sim valhe a pena ler! Procura no jardim da vida? procura por você!


Procura no jardim da vida?


 


A um jardim de flores


Eu me entreguei


Procurando amores


Que não achei


Encontrei espinhos e solidão


Em pétalas de dor e desilusão.


 


Entre tantas flores tentei encontrar


A mais diferente e singular


Entre o desprezo ao meu coração


Você não deixou minha procura


Ser tornar em vão.


 


E em um momento, um olhar...


Senti o tempo parar


Senti a lagrima rolar


Senti o coração disparar


 


E com um só toque eu pude crer


A escolhida seria você


A mais perfeita na imperfeição


A mais agradável na perturbação


 


Os espinhos não me feriam


O seu aroma me seduzia


As suas pétalas me encantavam


Sua beleza me confundia


 


A você então me entrego


Pelo seu amor me regenero


A minha busca em fim termina


 


O sonho então se concretiza...


Por você!

quarta-feira, 5 de outubro de 2005

Só pra atualizar isso aqui... acho que o dom esta indo embora...


 


 


 


A pobre e ingênua criança


Estica, os braços.


Estica o corpo...


Ergue-se...


 


Tenta se dilatar


Tenta crescer...


Tenta voar...


Tenta sonhar.


 


Olhando para o céu


Querendo apenas comer,


Tão lindo algodão flutuante


No mínimo quer toca-lo


Senti-lo...


Telo pra sim ao menos uma vez.


 


Assim me sinto ao te ver...


Uma criança querendo tocar as nuvens


Achando-as perfeitas...


Nunca porem, tendo-a pra si.


 


Nunca vai ter...


Não pode!


Impossível...


 


Versos inúteis...


Sinto-me sugado...


O sonho da criança


Vai perdendo a graça,


Pouco a pouco ela percebe...


Que é inútil tentar buscar


O inalcançável céu...


Beijar as lindas e perfeitas nuvens


 


Ele um dia vai perceber...


A ingenuidade acaba...


 


É preciso tropeçar em uma pedra


Pra percebemos que é impossível


Continuar andando e olhar o para o alto...


Assim a criança aprende...


 

5/10/05

sábado, 1 de outubro de 2005

Não falarei de amor? acho q ja foi...


Não falarei de amor


 


 


Basta...


Aqui não falarei de amor


Não falarei de alma


Não falarei de flor


 


Não falarei do que se foi


Nem do que eu sempre quis


Nada mudará o hoje


Nada trará o depois


 


Não falarei do que você não quis


Não falarei do que você desprezou


Não tenho porque lembrar o que passou


 


Não falarei da minha alma morta


Dos meus sonhos perdidos


Dos anjos decaídos


Das gotas que caem na chuva


Do seu perfume em meu pensamento


 


Do meu descontentamento


Comigo,


Com o mundo,


Com tudo que não fiz...


Com tudo que deixei passar


 


Acima de tudo não falarei de nós


Por que nunca houve


Acima de tudo não quero me lamentar


Acima de tudo não quero chorar


 


Então o que sobra?


Então o que eu disse?


Não sobra nada


Nem dor, nem cura,


Nem salvação, nem morte.


Nada.


 


Sei apenas não falarei de amor.

domingo, 25 de setembro de 2005

Lamento em vão


Lamento em vão


 


Quem dera, eu fosse vento,


Pra te seguir e te acariciar o tempo todo


Quem dera, eu fosse água,


Para molhar, limpar e massagear seu corpo,


Quem dera, eu fosse seu.


 


Então quem dera, eu fosse pedra,


Para não sentir a dor de não te ter


Então quem dera,


Eu fosso o que você quer


 


Não sendo seu...


Não sendo eu...


Não sendo nada...


Assim eu me perdi...


Não pude então chorar


Não pude reagir.


 


25/09/2005

sexta-feira, 23 de setembro de 2005

as vezes me pergunto onde quero chegar.... nunca tenho a resposta....


Quando me dominou...


 


Foi naquele momento que eu soube...


Que seu sorriso dominaria meus sonhos


E por toda a minha vida te teria em minha mente


E eternamente eu sentiria seu perfume


 


Eu eternamente esperaria,


A sua vontade...


A sua companhia


Para vivermos como um só...


Daria meu sangue, meu suor.


E com força te teria comigo.


 


Eu choraria...


E cairia do lugar mais alto


Caso eu te perdesse,


Ou precisasse te encontrar


Pois com você nada me faltaria


E só em seu amor eu poderia morar.


 


Chame-me de tolo


Diga que minto


Com esse amor tão meloso


E tão utópico!!


Mas de certo é o que eu quero dar-te:


Um sonho irreal,


Para que saiba que sou o único,


Que pode amar-te como merece.


 


Então...


Eu eternamente sonharia


Em ser pra você


O que você é para mim,


Sem medo me entregaria


A sofrer de todas as formas...


Desde que você esteja comigo.

terça-feira, 20 de setembro de 2005

Passos para o incerto mundo...


Passando o passado, passos ao futuro.


 


Passos lentos...


Passos largos...


Passos, e descompassos.


 


Passos adiante...


Tristes e inconstantes


Passos diante da dor...


 


Desejo de ficar


Desejo de parar


Desejo de voltar


E nunca mais sair...


 


Fazer uma morada


Neste lugar... amigos...


E mais nada...


 


Passos triste...


Passos da vida...


Vida que passa


 


Eu que vou passando pela vida...


E o meu lugar, minha casa,


Passa a ser de outros um novo lar.


 


Tristes adeus...


Adeus convívio


Adeus rotina...


Rotina amiga...


Amigos da rotina...


Adeus, adeus...


 


Passos pela calçada


Desvios perigosos


Esbarra-esbarra.


Passos rápidos,


Passos atrasados


 


Não é um adeus...


Mas é que sei:


Amanhã não vou te ver...


Nem depois...


Nem sei quando mais.


 


Passos juntos...


Juntos dizemos até logo


Fingimos que tudo vai dar certo


E eu sei...


Vai dar certo!!


Passos para o futuro.

sábado, 17 de setembro de 2005

Saudades.... saudades... sentimento... dor...


Saudade...


 


Que sentimento é este?


Que me faz pensar em você


Que me lembra sempre de te querer


Mesmo quando estou dormindo


Persegue meu coração


 


Só pra lembrar que você esta longe...


Só pra lembrar que não posso tela...


Apenas para zombar de minha tristeza


Apenas para provar a minha incapacidade


 


Lembra-me da sua pela macia


Das horas de caricia


Da juras de amor não ditas


Dos sonhos nunca realizados


Do nosso passado...


 


Da cama desarrumada


Da fuga desesperada,


Para ninguém nos pegar...


 


Das noites que eu acordado


Beijava seus lábios


E te via sorrir


Devia sempre ser um sonho bom


 


E a nossa lua?


E a nossas estrelas?


Nomeamos o céu,


Nomeamos os planetas...


Tudo pelo nosso amor...


Que hoje morreu...


 


Pena o ser humano


E seus sentimentos,


Durarem menos que seus desejos


Pena, nunca poderei dizer adeus...


 


Este sentimento...


Saudade, que nunca passará...


Que sempre me fará lembrar


De você...


 

Pena, nunca poderei dizer adeus...

quinta-feira, 15 de setembro de 2005

Amor em vão... escuro


Amor em vão escuro...


 


 


È triste, mas tudo passa.


É triste, mas tudo muda.


Mas só agora,


Vendo-te sair por aquela porta


A angustia me tortura.


 


Tantas brigas fúteis


Tantas palavras duras


Que rasgaram nossos corações


 


Tantos momentos puros


Felicidades completas


Desejos e descobertas


Que os tempos não trazem mais


 


O tempo passou de pressa


Ou foi eu quem deixou passar?


Tantos beijos não dados,


Tantos amores rejeitados


Que eu nunca vou poder lembrar


 


Mas agora me pergunto


No meio desse dês-mundo


Em que vim parar...


Por que nunca me quisestes


Por que nunca me dissestes


Uma palavra para me alegrar...


 


É com tristeza que eu lembro


De tantos sofrimento que por você passei


Dos versos ignorados,


Das rosas em vão colhidas


Do amor que em vão lhe dei.


 


E você que  de mim não quer nada,


Que despreza essa amizade,


Que tantos queriam ter...


 


Você parece me odiar,


Quando eu só sei te amar...


E não importa o que eu faça


Não vou poder te agradar,


 


Então pra mim basta,


Não quero amigos falsos


Não quero em vão chorar


 


Acaba aqui agora,


Doce amizade de outrora


Que eu tanto quis cultivar


 


Amei-te como pessoa


Amei-te como mulher


Não saberás quão dura a pena


Amar quem não te quer.


 


 

terça-feira, 13 de setembro de 2005

Meu Niver...


Pensamento de aniversario....


 


Mas um ano se passou...


E bom acho que fiz o possível este ano...


Diante das minhas metas eu cumpri todas as que tive chance...


Sei que devo ter deixado muitas coisas passarem....


Mas a vida é assim mesmo... Não posso fazer tudo que eu quero...


 


Mesmo assim... Não sei...


Parece que tem algo faltando...


Algo que eu nunca vou ter...


Mesmo que eu faça de tudo....


Sempre fica esse buraco de insatisfação presente em meu peito...


Um sentimento de ausência...


Não sei o que me falta e nem onde posso curar essa dor...


 


Desconfio...


Deve ser por ela...


Mas se for??


O que posso eu fazer??


Nada...


Esperar....


Esperar esse dia acabar...


E o próximo... o próximo...


E quem sabe chegue o dia  em que eu não sinta mais nada...


Quem sabe....


Se eu tiver sorte....


Quem sabe....


 


 


Desejo a mim.... tudo o q sonho....


Desejo a mim.... metade do que eu espero....


Desejo que apenas alguém se lembre de mim...


Não apenas como uma pessoa qualquer....


Desejo que eu seja se......


 


Um dia, quem sabe....


 


 

segunda-feira, 12 de setembro de 2005

Olhos de meu amor... a um tempo esquecido... volta a me dominar


Doce Olhos, doce olhar...  


 


Incrível...


Aquele castanho alaranjado


Eu poderia ficar horas,


Apenas olhando aquelas perolas,


Brilhantes e perfeitas,


Tão lindas e delicadas...


Como sua dona...


 


Eu poderia passar horas


Poderia parar de comer


Poderia parar de viver


Quem sabe parar o tempo


Para poder olhar com cuidado


E não perder nenhum detalhe


Daquele tão perfeito olhar...


 


Eu usaria de todos os papéis


E cores para representar,


A perfeita obra prima,


Aquele rosto pelo qual


Apaixonei-me...


 


Ela acaba de perceber


Que eu estou a olha-la


Percebe, e desvia o olhar,


Sente vergonha, finge não notar.


Mas ela sabe que eu a amo


Mesmo o tempo tendo passado


E eu a disfarçar...


 


Não consigo ficar


Sem ela olhar...


Ela me cativa,


Estimula-me, me faz sonhar,


Desejar, implorar pelo seu amor.


Que eu sei que nunca virá.


 


Pois mesmo se tudo eu fizer


E de todo jeito me montar, esforçar...


Ela eu não terei...


Triste... melancólico


 


Acabei me acostumando


A só poder apreciar a beleza


Que eu gostaria de cuidar e tocar


Mesmo que as lagrimas rolem...


Eu não estou a chorar...


Só estou a admirar,


Aquele perfeito olhar...


 

quarta-feira, 7 de setembro de 2005

Relato de um amor...


Relato...


 


Pertencemos um ao outro,


De você eu vim


Sei que para você devo voltar


Sou frágil e pequena


Mas meu amor,


E minha vontade de ver-te novamente


São maiores que a distancia,


Que me separa de você


 


Não sei voar,


E não sei o me espera...


Quando mais um paço eu der...


Acredito que você vá me ajudar


Acredito que vá me segurar


 


Muitos como eu, esperam,


Ao seu amor eterno voltar


Eu sou apenas uma gota


Que se juntará a seu mar...


Mar de amor e de carinho,


Busco dar-te a minha felicidade


 


Raios a minha voltar


E o barulho dos trovoes me lembram,


Que esta chegando a hora.


Preparo-me e respiro fundo,


Derreterei-me em lagrimas do mundo.


 


Ao ver bem de longe sua imagem


Fecho os olhos e me jogo.


A hora que esperava.


 


Gotas e mais gotas de chuva


Como eu, começam a cair


Buscando em você


O caminho pra qual seguir...


 


 


 

domingo, 4 de setembro de 2005

Na cena de uma despedia... produto de um domingo, que não foi inutil por completo...


Na cena de uma despedida


 


 


Ambiente a umedecer


Narinas a arder


Cabelos a se arrepiar


Um corpo ao chão a cair


Uma lágrima simultânea a rolar


 


Garganta a se fechar


Não conseguia nem respirar


A saudade cresce rapidamente


Pois eu sei que você não vai voltar


 


Com a mão direita, aperto o meu peito...


A dor parece que vai me matar


Pois ele sabe que essa é a minha vontade


Quem sabe assim você não fosse me deixar


Quem sabe você poderia me perdoar


 


O som do corpo ao encontrar o chão


Dando-me a certeza... Não havia mais salvação


A dor duplica, me ajoelho ao lado do corpo agora inerte,


O sangue que escorre...


 


A duvida e a culpa me invadem.


E a mim querem possuir


Por que? Fez isso a si!?


Não se ferindo apenas...


A mim conseguiu matar


 


E a sua dor de outrora


Que para mim era tão pequena


Percebo agora,


A você devia sufocar


 


Sinto não ter tido a chance


De a você ajudar...


E agora nem isso te dizer


As facas da culpa


Ao meu corpo querem apunhalar.


 


Solidão, medo e ilusão


Doenças que me torturarão


Dando-me à vontade,


De a você me juntar.


 


Não posso...


Sei que não vou te encontrar


Você foi tudo pra mim


Mas como ser humano


Sei que a dor vai passar


 


Outro alguém vou  encontrar


Depois de anos a sua morte chorar


Sei que você se foi...


Mas que gostaria que continuasse...


 


Pelo menos é cômodo para mim


Assim pensar.


Minha duvida eterna, no entanto,


Vai ser: por quê?


Por que você fez isso??