terça-feira, 28 de junho de 2005

ai vai o texto 5!!


Retalhos do pensar.

 

Eu penso em muitas coisas,

É... todos pensam em muitas coisas.

Mas eu. Sempre fui “diferente”, mas...

Como sei que fui diferente, se nunca estive numa “pele” normal?

Sei, porque nunca me taxei assim, as outras pessoas é que o fizeram.

Louco. Mas quem é certo?

Tolas. Nunca viveram um dia suportando o Meu mundo,

Do meu ponto de vista. E nem um dia na minha vida.

Então, Por que eu é que sou o diferente? E não elas,

Diferentes de uma vida que eu busco?

É isso que está ai neste desenho.

Eu sempre procurei ver as coisas de um jeito meu.

Apesar disso fui sempre uma pessoa com pouco,

Ou nenhum senso de critica.

Digo Que experimentei e vivi, mas observei muito mais.

E por isso não gostei do ser humano do jeito que ele é.

Talvez por isso eu seja diferente.

Tão idêntico, mas diferente dos sonhos que todos buscavam.

Ou talvez, fui apenas mais um que pensou assim.

Acho que a visão de muitos, que murmuram pelas minhas costas,

Mas não tem a coragem de falar na cara que sou um louco, seja verdade.Hahahah... Até parece.

segunda-feira, 27 de junho de 2005

Texto 4 - Exposição Psicodrama

Não disse, mas esta sequencia de texto foi da minha Expo Psicodrama, por isso alguns falam de Desenhos - Eles foram apresentados ao lado dos trabalhos.

Coração de Metal




Erros...

Esse desenho foi um erro...

O sentido dele é:

O amor, não é um pingente de metal,

Com uma foto sua e outra de quem se ama

Em formato de coração...

Esse sentimento grande, estranho...

Neste caso preso por galhos frios e distantes.

Um desejo enorme de se dar a quem se quer.

Mas a arvore prende meu amor, e meu coração,

Eu posso ver que amo, mas não posso abrir o pingente,

E saber que foto, além da minha esta lá,

Pois ainda não tenho a chave pra isso.

Meu sentimento esta ai sim...

No entanto, o destinei a pessoa errada.

Ele foi um presente, num dia especial...

E sem querer iludi uma pessoa...

Fiz uma confusão. Erro.

Enquanto quem eu amava me machucava

E não me correspondia, quem estava junto comigo e me amava...

Eu a machuquei, e acabei uma coisa que poderia ter dado certo.

Passado...

Talvez me arrependa de ter perdido a chance

De me libertar pra quem me queria,

Em troca de me fechar por quem me desprezou.

Pense nisso...

Você que acabou de ler esse texto...

Quem sabe você já não esteve, ou esta nessa situação.

O meu conselho é de uma chance...

E não tenha medo de errar nunca...

Pois é do medo de errar que os erros aparecem.





(um dos primeiros desenhos dá libélula).


domingo, 26 de junho de 2005

O que foi de mim



Eu.

Nunca pensei mais em mim.

Pensava sempre no que eu queria dar

O que eu queria ter.

Ah! Que chato!

A vida não é uma tristeza sem fim.

A não ser que você queira.

Algumas coisas você controla, Outras,

Você tem apenas que aceitar.

A minha cota de tristeza eu posso controlar.

Mas a felicidade que eu queria

Tenho apenas que esperar que venha.

E viver com a quantia que me vem.

Mas não posso convence-la a dizer sim.



Tudo começa assim.

Uma desilusão,

A rosa crescendo sozinha.

A arvore morta.

O céu ficando cinza,

E apenas um canto azul.

Olhe pra si mesmo,

E pense sempre em ser melhor.

Buscar o lado bom.

Para o seu bem

sábado, 25 de junho de 2005

Segundo dia - Postagem 2

Intenção 2.


Será que isso é possível?
Voltar no tempo?
Acho que não, mas há pouco Eu quis isso...
E meu cérebro me enganou,
Fazendo-me acreditar que a vida,
Tinha-me dado uma segunda chance
Em uma nova pessoa.
Todos. Eu tenho certeza,
Já quiseram voltar atrás numa decisão,
Ou coisa que fez.
Mas...

E num sentimento?
Alguém já o fez?
Eu . Eu fiz, trouxe de uma pessoa para outra,
Todos os sentimentos perdidos.
Fiz uma pessoa ideal na minha mente,
Para esses sentimentos tão importantes.
E os refleti numa pessoa real.
O resultado disso?

Um engano completo e doloroso.
Uma “intenção 2” por isso este desenho se parece
Com a “intenção”. Foi meu coração,
 Pedindo uma segunda chance.
É... Isso é bem idiota...
Mas todas pessoas, todas mesmos, sem exceção,
São idiotas. E querem o que eu quero.
Eles se escondem, às vezes esconde de si mesmos o que querem.
E perdem o que tinham de mais precioso.
O tempo não volta.
Faça. Tudo que tiver intenção, Por quê isso:
A vida, o tempo, não repete...
Nunca...

sexta-feira, 24 de junho de 2005

Psico_

Intenção


Certamente você já teve a intenção de fazer algo
E se você fez, mesmo que tenha dado tudo errado,
Se orgulhe, pois pelo menos você fez.
Passamos boa parte da vida tendo a intenção de fazer algo,
Muitas vezes não saem do pensamento.
Aquela escolha, aquele ato que poderia ter mudado toda sua vida.
E que por medo, covardia, ou qualquer outra coisas...
Não fizemos.

Às vezes os planos mudam, no meio, no final ou no primeiro passo.
Mas repito: se você cumpriu sua intenção, você é vitorioso.
Porque mesmo que você se decepcione, aprende algo,
Que sem essa dor não seria possível.
Esse não foi meu  primeiro desenho, mas talvez,
Pra mim, o mais importante e sentimental.
Aqui foi onde tudo começou.
Minha grande decepção.
Foi, como todos os grandes atos da história,
Por uma mulher, um amor.
A primeira intenção...
Mas não a última.