sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

lagrimas


Lagrimas sempre rolam,


Lagrimas sempre vão rolar,


E a cada despedida


Eu sempre vou lembrar


Dos momentos que passaram


 


Lagrimas molham as lembranças


Reluzem cristalinas, e brilham,


Brilham na esperança


E na saudade que nos ergue,


Nos levanta.


 


Agradeço ao que passou...


Choro pelo que deixei


Rezo por mim e todos que amo,


Para que me encontre.


Para que nos encontremos...


 


Sem tempo pra dizer tudo que quero


Digo obrigado apenas.


Para todos que amo e espero.


Beijos e abraços entrego...

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006

ao te perder, porque não esta aqui? pq não quer meu amor?


 


 


Ao te perder.


 


Dor e solidão


Me fazem despertar


Na escuridão


Que quer me sufocar


 


Mas não consigo


Acordar do pesadelo


E te ter do meu lado


Encontrar algum sossego


 


Dentro de mim o desespero


E a vontade de gritar


Pois eu sei que a saudade


Vai me encontrar em qualquer lugar


 


Sons e perfumes me lembram você


A cor dos seus olhos


Em cada amanhecer


 


Te busco nas sobras


Não consigo te alcançar


Enlaço o vazio, sua imagem a chorar


 


Perdido e sozinho


Não consigo suportar


Sem você, pra me dar


Força e me levantar


Não vou suportar


 


Eu nem consigo chorar


Aos poucos vou me entregar


 


Caminho para o vazio


Buscando você


Me encontro em um abismo


Beirando o prazer


 


Me sinto em seus braços


E volto a respirar


O sabor dos seus beijos


Dão-me forças para sonhar


 


Que teremos outra chance


De juntos renascer


E para eternidade


Eu vou te amar


Até a morte chegar


 

sábado, 9 de dezembro de 2006

A Solidão se concretiza no Silêncio




A solidão se concretiza no silêncio.

É a certeza de que só existe: ar e concreto,

Entre sua alma e tudo a sua volta.

É o vácuo que pressiona nosso corpo

Contra matérias frias e duras.



A solidão se concretiza no silêncio,

Não apenas externo,

Mas principalmente interno.

É quando estamos a sós com nossos pensamentos.

Questionando-nos sobre nossos desejos.



É falta do toque, e do lamento.

É a falta de se sentir presente.

É a falta de se sentir contente.

É o ser estar ausente.



Mesmo junto de tantas pessoas,

Mesmo quando falam com você.

A solidão pode ser tão presente,

Que até machuca perceber

A distancia entre o mundo e nosso ser.



A solidão se concretiza no silêncio.

É a falta de se sentir necessário.

É estar trancado na escuridão em um armário

Ter a chave nas mãos e

No entanto... Não poder sair.



É se perceber em frente a um cubo,

Recebendo a luz fria em seu rosto,

Vivendo indiretamente a in-realidade de sentimentos.

Sugando e se suprindo de vivencias alheias,

Tentando assim ser mais feliz.

Tentando assim ser o que não é.



Você, a escuridão,

A pequena luz que são seus desejos,

Tão distante de si mesmo.

A escuridão e suas tristezas,

Em suas mãos o poder da escolha,

Não adiantará gritar,

Pois nem assim esse silêncio vai se quebrar.



É o não existir além de si,

É o não deixar marcas.

E o desaparecer sem fazer falta,

É como andar sozinho na deserta madrugada.

A solidão se concretiza no Silêncio.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Hoje em dia... esse eu fiz em um momento além de mim, ou não eh meu!hahah


 


 


 


hoje em dia


os dias mais claros nascem,


mas cedo crescem...


e em dias assim...


são mais longos e confusos,


são mais lotados...


dias que eu preferia me trancar no quarto...


dias em que somos refens do tempo...


e como sempre por ele somos controlados...


nos traz a inrealidade, e a ilusão de que ele exite realmente...


na verdade ele eh vento...


as vezes leve... as vezes pesado..


um sopro rapido  descontrolado


a brisa lenta inconstante...


na verdade eh apenas a morte...

sábado, 18 de novembro de 2006

Salati! é assim que se diz : eu te amo.


O sol que me brilha,

Quando o meu, encontra o seu olhar,

Seu sorriso desperta algo em mim,

E o que posso fazer é me entregar,

 

Ir de encontro aos seus braços,

Sentir a alegria que o contato com seu corpo

Vem me proporcionar,

É como se finalmente me encontrasse

É como se esse fosse o meu lugar

 

Estar no seu convívio é estar vivo,

Posso ter tido um péssimo dia,

Mas tudo muda quando você esta comigo,

Agradeço então por ser seu amigo.

 

Tudo se completa quando estou junto de você

Mas o tempo é curto e sempre temos que nos separar,

É nessa hora que a tristeza volta,

Pois vou ter que esperar, longas e longas horas,

Para encontrar novamente o seu belo olhar.

 

Sinto ciúmes infantis,

Quando com outro esta a conversar,

Sinto que me falta um pedaço,

Sinto que estão a te roubar.

 

Faço de tudo para poder estar em sua companhia,

Quero te trazer toda felicidade que eu puder,

Quero entrar no seu mundo, e tudo nele concertar.

Quero ser seu porto seguro,

Saiba que em mim, você pode confiar.

 

O que falta para tudo ser perfeito?

O que me falta é você!

A cada dia que passa,

Sinto mais medo de te perder.

 

Você inspira a minha alma e me faz acreditar,

O que me tortura é o duvidar

Não saber o que posso te dar,

Não saber se quer se entregar

Para o que posso te proporcionar.

 

Não te prometo a perfeição,

Isso ninguém pode dar,

Prometo a ti uma bela canção,

Que por tempo indeterminado vai nos emocionar.

 

O melhor de mim, a cada segundo.

Ser-te especial como nenhum outro.

Estar contigo e ser sempre seu amigo

Alegrar seus sonhos, e acabar com seus pesadelos.

Ser verdadeiro a cada momento.

quarta-feira, 15 de novembro de 2006

o vento. obrigado Barbara (la folle) pela inspiração.


Olá, sou o vento,


E este é o meu lamento.


Apenas de passagem...
Sigo em frente, volto...
Nunca o mesmo,
deixo-me por onde passo,
agrego outros pedaços,
não ficarei,
mas te levarei comigo,
e quando eu parecer sozinho,
lembrarei de tudo que deixou,

seguirei novamente,
contente,
as vezes contra corrente,
as vezes contra eu mesmo.


 


Sou, e não sou,


Nada me prende,


Preso sou apenas o nada.


Aconteço no movimento


Morro em cada momento


Que barram o meu sonhar.


 


Seguirei novamente,


Preciso secar as lagrimas,


As minhas,


As suas,


As lagrimas do dês-mundo.


 


No seu sorriso me completo


Seu ser me preenche,


Pois eu sou vazio e in-concreto.


 


Dou a ti o meu adeus,


Sei q não serei teu,


Preciso secar as lagrimas.

sábado, 28 de outubro de 2006

Eu 2, um complemento..

Eu 2

Sou estrada
Não sou estação
Sou pegadas,
Sou apenas ilusão

Não sou um porto
Sou o mar...
Eu sou o vento
Que vai te levar.

Não sou o sonho,
Sou apenas o sono,
Não sou a felicidade
Mas levo até ela...

Sou o corredor
E não o quarto ou sala
Não sou cômodo algum.

Sou o vácuo do silencio
Sou o que se cala entre seus pensamentos.

Sou o inconstante e o mutável,
Sou o que não pode ter nem desejar
Pois nada fica por mim,
Tudo passa, leva-me um pedaço...
E deixa-me ao descaso.
Sou o que proporciona amor...
E nunca, porém é amado...

Sou transparente,
Por muitas vezes invisível,
Mostro-te o desprezível,
Convenço-te do indivisível.

Mas e você quem é?
O melhor de mim pode levar,
Eu não vou me importar.
Não peço nada em troca,
Dou o que acho devo dar,
Por isso posso me machucar,
Você...
Talvez nem vá ligar...
Mas serei sempre a janela
Que te mostrará um belo luar.

domingo, 15 de outubro de 2006

O Começo depois do fim


 


Na vida, temos que fazer escolhas.


Os caminhos que escolhemos decidem nossas vidas, e também de vidas a nossa volta.


As vezes não consigo acreditar que na minhas mão se encontram a  não só a minha vida... mas também de quem eu gosto.


Ela não sabia o que iria acontecer. Eu não sabia o que ia acontecer. Aquelas palavras, aquele gesto...


Mudou nossas vidas... Minha culpa... Fiz muitos pagarem pelos meus erros. E agora pago com minha solidão. Estou sozinho agora. E todos que eu amava, não existem mais...


Caminhos...


Escolhas...


As vezes penso que isso tudo é um pesadelo e que vou acordar, suado e assustado, e vou te encontrar do meu lado, e você vai me acalmar, me tomar em seus braços, vai colocar minha cabeça em seu colo, me ninar e dizer que me ama.


Minha narina começa a arder, meus olhos a lacrimejar, o que isso? Lagrimas?


Eu não tenho nem ao menos direito de chorar, a dor do arrependimento é grande de mais.


As vezes ainda vejo vocês... No quintal, brincando, em um belo dia de sol... Sobre vocês a nossa arvore. Tudo era tão perfeito...


Mesmo as brigas, que eram poucas, e que sempre acabavam com agente caindo na gargalhada.


Mas agora vendo essa casa escura, são apenas cinco horas, os cômodos vazios e silenciosos. Em cada canto fantasmas de dias felizes.


Pergunto-me se existe uma outra realidade, um outro mundo, onde nós ainda estamos juntos, onde eu fiz a escolha certa.


Um mundo em que eu não fui egoísta, ganancioso, e obcecado, um total idiota.


 É melhor eu sair daqui, devo fazer o que tenho que fazer, esta casa não pertence mais a mim. Este mundo não pertence mais a mim, agora a única coisa que tenho é este livro maldito, que me trouxe até aqui.


Devo buscar respostas, pois não acredito que ele tenha vindo até mim, sem motivo algum... Tem que ter um motivo para eu carregar a morte de todos que eu amei em minhas mãos... Eu não quero e não posso acreditar que tudo isso foi unicamente por que fiz tudo que fiz.


Merda...


Foi só eu colocar os pés na rua que começou a chover, não faz diferença, ultimamente minha vida tem sido uma tempestade, meu céu esta sempre nublado, e meu rosto sempre chuvoso.


Ela gostava de dias chuvosos, lembro quando éramos crianças, e ela cuidava de mim, dizia que preferia dias assim, pois nós poderíamos ficar juntos o tempo inteiro. E no futuro, sempre lembraríamos um do outro em momentos iguais. Não retribui a todos os favores que você me fez Cá., minha irmã. E acho que nunca poderei fazer isso...


Não há ninguém nas ruas, os carros são poucos e dentro deles pessoas solitárias, quase não enxergo a minha frente,  esta tudo tão escuro e triste, mesmo assim é tão belo!


Estou encharcado, totalmente sozinho, quem sabe eu nem existo mais nesse mundo e também estou completamente perdido... com um livro feito de peles e sangue nas mãos... 


 

sábado, 14 de outubro de 2006

O Despertar de Nethus


Aqui é tudo escuridão


A cada passo não enxergo o chão


A luz que eu via queimava meus olhos


E por isso quis fugir por medo


 


Fugindo da dor eu me perdi


Eu simplesmente segui em frente


Não sabia quem eu era,


Não sabia onde eu estava


Uma dor me perturbava,


E era a do meu coração,


Uma tristeza tão grande


Mas eu não sabia a razão.


 


Andava com os braços estendidos


Na total escuridão


Estava ao ar livre,


Em meus pés sentia a grama


O vento no meu rosto


Na boca, o desgosto,


A garganta comprimida


Ouvia ruídos de animais


E movimentos calmos e lentos,


Eu era uma alma sega,


Ao relento.


 


Em um dês-mundo,


E a cada segundo


Eu me perdia mais e mais.


Um som de um rio,


Busquei-o para minha cede matar


Mas suas margens traiçoeiras,


Para a salvação queriam me levar


Cai no rio, e seu gosto era diferente


Era doce o gosto, era ferrugem


Era o meu remédio,


Sem querer ia o engolindo


E aos poucos eu vi,


Sim eu vi, e me surpreendi!


O rio era vermelho,


E no segundo seguinte


Tudo fez sentido,


O gosto que eu havia sentido


Era o néctar dos vivos.


 


De me afogar não tinha medo


Não tinha certeza de estar vivo


Meu coração estava quase mudo,


Meu corpo quase frio,


Minha mente quase morta...


Respirava apenas por costume


 


Agora eu podia ver por onde eu ia...


Mas não sabia que caminho seguir


Pois ainda não saberia dizer


A onde eu fui me meter.


 


Buscava na minha mente,


Alguma memória,


Mas era um ser ausente que me dizia


E confirmava o que eu já sabia


Este não é o meu lugar...


 


Ouço um grunhido,


Um ladrar, um rosnar.


Há um animal a me rondar...


O suor desce pela minha testa


Não sinto medo,


Por ainda não saber se estou vivo.


Ele se decidiu, e vem na minha direção...


Acabe logo com minha aflição,


Sinto seus pelos em minhas mão...


A morte chegando...


Para um de nós...


Sinto caninos grandes e longos,


Morderem um pescoço,


Vejo sangue jorrar


Membros arrancados,


A loucura em meu olhar...


Um ser com essa força imensa


Que eu não consigo controlar...


 


Agora fora de perigo,


Consigo me dominar,


Sim, estou vivo,


Agora posso acreditar,


Mas o que sou?


Isso não posso falar..


Sou monstro talvez,


Pois humanos não possuem essa força,


De humano tenho apenas esse ódio


Um ódio e sede de sobreviver,


E do monstro tenho os dentes e o poder.


O que me tornei?


Alguém pode me responder?


 


 


 

domingo, 1 de outubro de 2006

Suposição... não sei se to repetindo esse... boa leitura


Se fosse permitido a uma Arvoro o “poder” de pensar, o que ela faria?


Esta  arvore, primeiramente se descobriria,


Sua vida seria confusa, mas passaria tudo que aprendeu pra suas sementes


Até o fim...


Suas sementes saberiam depois do fim da progenitor o que um dia a elas aconteceria.


Medo então do fim surgiria...


E duvidas...


Para não se sentirem totalmente perdidas... essas sementes criariam explicações,


Apenas para não enlouquecerem...


Então se chamariam de especiais... e então se achariam as escolhidas por algo maior


Para guiar este mundo grande e estranho em que vivem...


Sabem sempre que seu fim esta por vir a cada momento....


Talvez um dia, porém... uma se questionaria se essa vida teria algo mais, ou se era apenas aquilo, nascer, crescer, dar frutos (infinitamente), até chegar sua morte?


Esta arvore que vai chegar a conclusão que, só pensamos que somos especiais simples e unicamente por que pensamos!


Somos nós humanos como essas arvores de uma realidade fictícia.


A vida não tem um sentido maior... Pois todos os sentido que podemos colocar nela.... Foram criados pelo pensamento humano, e apenas ao mundo humano pertence. O único desejo humano independente do nosso pensamento é o desejo, e este é o sentido único da vida... Assim como tudo no planeta, nós devemos nascer, crescer, procriar e morrer, nosso motivo é a perpetuação de nós mesmos até que um dia isso não seja mais possível.


Esqueça seus sonhos materiais e que foram criados pelo homem, pois eles são falsos, são apenas mentiras elaboradas para nos dar um sentido que não existe.


Abra os olhos e veja o que realmente você quer!!


Você quer apenas alguém do seu lado, pra ser seu. Perceba


Você pode ter tudo do mundo humano, todos os seus sonhos podem ser concretos, mas a felicidade só se torna completa quando compartilhamos nossos sonhos e realizações com outra pessoa.


 


Você como eu, pode achar isso tão fútil! Amar, fazer filhos, qualquer um pode fazer isso, se você se acha maior que isso, acha que esse não é o sentido real da vida, você vai tentar ser diferente de todo mundo... você vai querer deixar para todos o que é a Vida pra você.


Muitos vão conseguir, outros vão ficar apenas na vontade.


Alguns vão ficar tão obcecados por isso, que vão esquecer ou não vão conseguir cumprir a verdadeira felicidade de amar e de ser amado... do amor mais nobre ao amor mais mentiroso sujo e falso, isso é o que todos buscam.


 


Eu não sei me encaixar nessa realidade... Viverei então a par dela... Tentando então mostra o que eu acho da vida, mesmo que seja inútil deixar meus pensamentos e partes de mim para uma raça que eu odeio: O Ser Humano.

sexta-feira, 15 de setembro de 2006

Aniversário 13/09

 


Hoje feito de momentos normais...


Rodeado de pessoas in-reais,


Envolto em relações superficiais,


Deixado para mais tarde


Por compromissos de mais...


 


Hoje novamente rodeado por meus antigos desejos


E tendo a certeza de que nenhum deles se tornará real.


Hoje no mesmo dia em que


Anos atrás meu outro ser morreu,


Para que eu em fim buscasse alguém me prometeu.


 


Hoje, calmo som do silencio,


Hoje, preso em cinza rotina,


Hoje cansado do longo tempo,


Hoje querendo que tudo mude...


 


É só as folhas que caem...


É só o tempo que passa ..


É só tudo que muda...


São só formas e mais nada...


O vazio e incontestável nada...


 


 


 


_______________________________________


 


 


outros.. fiz hoje mais eh meio fora do contexto... mas eh bom!


a Dê me inspirou! heh


 


 


linda, linda... o tempo, o vento... um som...


sendo, e estando... mas nunca se tornando... ficando ao relento...


linda, linda... é o tempo... canção de despedida, o outono porta a dentro... a trama feita por mão viciadas, em um mesmo movimento...


é o vento... que muda.. sopra... leva para longe... eh linda... linda... na eternidade dos meus pensamentos...


gravada, rabiscada, apagada, mais ainda assim marcada na folha que vai caindo... caindo...


pois juntos... ahh sim eu me lembro...


juntos se formam e se destroem...


o vento...


o tempo...


e apenas um perfil como enceramento...



 


sábado, 26 de agosto de 2006

As Rosas


As rosas


 


Sim, as rosas nascem.


Elas crescem em campos descrentes


Vemos elas, surgirem carentes,


As rosas são o paradoxo total.


 


Elas levam o amor e a dor,


A alegria e o temor,


A solidão ou a união


São sorrisos na conquista


E choro na despedida.


 


Para aquele que a planta


Se vingada, simboliza a vitória,


Para aquele que a colhe,


Tem sabor de dádiva,


Para quem a vende,


Sabor de recompensa,


Para quem a compra,


Sabor de cartada,


E pra quem recebe


Adoça o ego.


 


Mas o pior é saber


Que o prazer de quem a mata


É tão saboroso quanto todos os outros


É um poder sobre a natureza,


É a perseverança da tristeza,


O calejar de cores e vida.


É sem dó, causar a despedida.


 


Sim, as rosas nascem.


Em terrenos escuros,


Em corações inseguros,


Em tempos distantes.


Em jardins e campos,


Sim, elas morrem...


Contra ou a favor de tudo que representam


Morrem sempre sós,


Clamando para que as alimentem.


Mutiladas, maltratadas, sem sementes. 

sexta-feira, 18 de agosto de 2006

Vós


Vós


 


Vós que em um só momento me deste tudo


Vós que neste mesmo momento me jogou ao chão


Vós que esteve comigo nas horas mais difíceis


Vós que ao menos, me estendeu a mão,


Vós que com um triste olhar me disse adeus,


Vós que neste lampejo do mau que me fez,


Se deixou ir, sem me pedir para continuar com você.


 


Com a voz rouca de tanto gritar,


Vós seguistes em frente, sem olhar para traz.


Vós que eu amei,


Vós que nada me destes,


Rosas mortas e sem cor


Assim foi o nosso amor,


Ou apenas o meu amor,


Pos vós...


Vós não amastes ninguém,


Nem a ti, ou a qualquer outro,


Vós que é tão distante de tudo!


Distante de eu, tu e ele.


Próximo do fim talvez.


Vós que sozinho vai continuar


Pois mesmo com alguém nunca vai se entregar


Seguiras apenas com a minha voz a gritar.


Fuja, pois aqui nada mais vai encontrar.

sábado, 8 de julho de 2006

a sua falta é uma lacuna...


a sua falta é uma lacuna...


tão real e sólida,


quanto aquelas que manteem em pé


o prédio ao qual vc não está.


e o q antes era a dor de esperar alguém


que não se sabe que virá,


hoje é a dor da certeza,


de que vc não vai estar lah.


por outro lado é leve,


pois não tenho por que de desejar,


nem motivos para me forçar.


apenas a bela saudade,


e o conforto de pensar em vc,


 bem, ou tentando bem estar,


as vezes longe, as vezes no mesmo lugar.


as vezes a culpa é apenas do céu,


da impressão que nos dá,


que o sol andou, e com ele mudou


tudo e todos de lugar.


sáo apenas as horas


que estão a nos separar...

segunda-feira, 19 de junho de 2006

sem titulo, sem conteudo ... atualizando...


Se o tempo lhe der asas


Voe


Se a dor lhe trazer o mar


Navegue


Se sua tristeza o levar ao fundo


Renasça


Se tudo que você quis te despreza


Não chore, não desista, mude.


Ao mundo dou apenas o que me falta


E o que me falta é tudo o que o mundo me nega


Se não tenho é simplesmente pq não busquei com afinco


E se mesmo com afinco não consigo é porque não o devo ter


E se tudo que eu disse até aqui é apenas bater repetidamente a mesma tecla


Eu só posso dizer que, hoje se aqui me repito....


Na minha vida farei diferente...

sexta-feira, 26 de maio de 2006

A Amizade !



Fiz esse para Dê, e para meus amigos. Todos são diamantes que eu encontrei..( piegas? eu sei!)

A amizade é algo mágico

Você pode até escolher ser amigo de alguém, mas não depende só de vc, não depende só da pessoa, é algo mutuo acontece quase sempre sem querer... do nada vc percebe que aquela pessoa não é apenas uma pessoa comum... ela é agora sua amiga..

Amigo não serve pra dizer que vc ta sempre certo, na maioria das vezes ele vai te ajudar a ver onde você erra e assim te ajudar a ser uma pessoa melhor. Amigo discute com você e fala do que pensa sem medo, e assim trocam tudo que aprenderam e conhecem, está do seu lado, nas horas boas, e nas ruins, te estende a mão quando você cai, e depois ri junto de vc, e não de vc.

Amigo te agüenta, quando ninguém mais o faz! As vezes eles irritam, outras vezes vc os irrita.

ele te chama pra terra, ou te leva pra viajar na lua.

As vezes seus amigos pensam igual a vc, outras vezes eles pensam completamente diferente. Amigo está  lá pra te ouvi. E esta lá pra dizer com as melhores palavras, “ta bom, agora já deu”,

Com amigo a gente briga, fala o que não devia, mas q (talvez queria dizer), depois sabem os dois lados que tem que esquecer, relevar pq a amizade entre os dois é mais importante que qualquer briguinha, é depois de uma briga feia que a gente vê os amigos de verdade, ou se perdoam, ou não se falam mais, as vezes leva um tempo para as coisas voltarem ao normal... mas quando volta fica forte o bastante para que não se precise lembrar das coisas ruins que se passaram... mas só das boas!

quinta-feira, 25 de maio de 2006

Um orgulhoso na escuridão... eu tenho q parar de escrever essas coisas.......ehe


Um orgulhoso na escuridão

 

A solidão tenta me sufocar

Não ter a onde ir

Não ter onde ficar

 

São meus pensamentos

São luzes de ilusão

Medo, morte em contemplação.

 

A escuridão querendo dominar

As esperanças de que existe um lugar

Que não estou sozinho a me torturar

 

Gritando para o vento,

Buscando algum contentamento

No descontente lamentar.

 

Se ao meu lado invejo o que não tenho

Não busco com empenho

Não me entrego e não me prendo.

 

Se apenas choro por dentro

Mereço então chorar,

Por fora sou mascara.

 

Encima de um trono de orgulho

Mas sem ter por um segundo

O sentimento que quero dar.

 

 

domingo, 14 de maio de 2006

mais um de novo nome da tristeza



Nome da Tristeza


 


Ó miserável destino


Que me trouxe ate aqui


Não há céu


Não há terra


Não há sol a me cobrir


 


Na solidão do meu ser


Na angustia do meu mundo


E você bem devagar


Segue seu caminho


Sem ao menos se importar


 


Que a tinta caia sobre


Esse papel branco da minha vida


Onde o amor já quis pisar


Apenas manchas deixou


Nenhuma cor trouxe


Pra o meu mundo pintar


 


Não desenhou momentos felizes


Nem ao menos pintou o mar


De tristezas que hoje veio me afogar


 


Afronta-te o medo


Pare de chorar


Encontre em um só lampejo


O farol que te levará


 


Para a terra


Para a casa


Para o lar


Para a felicidade


Você mesmo venha pintar.

sábado, 13 de maio de 2006

A um Jardim de flores , o jardim do amor... (repet)


Procura no jardim da vida?


A um jardim de flores
Eu me entreguei
Procurando amores
Que não achei
Encontrei espinhos e solidão
Em pétalas de dor e desilusão.

Entre tantas flores tentei encontrar
A mais diferente e singular
Entre o desprezo ao meu coração
Você não deixou minha procura
Se tornar em vão.

E em um momento, um olhar...
Senti o tempo parar
Senti a lagrima rolar
Senti o coração disparar

E com um só toque eu pude crer
A escolhida seria você
A mais perfeita na imperfeição
A mais agradável na perturbação

Os espinhos não me feriam
O seu aroma me seduzia
As suas pétalas me encantavam
Sua beleza me confundia

A você então me entrego
Pelo seu amor me regenero
A minha busca em fim termina

O sonho então se concretiza...
Por você!

domingo, 7 de maio de 2006

o Unico desejo, o Unico caminho Humano


O REAL SENTIDO DA VIDA


 


Se fosse permitido a uma Arvore o “poder” de pensar, o que ela faria?


Esta primeira arvore, primeiramente se descobriria,


Sua vida seria confusa, mas passaria tudo que aprendeu pra suas sementes


Até o fim...


Suas sementes saberiam depois do fim da progenitor o que um dia a elas aconteceria.


Medo então do fim surgiria...


E duvidas...


Para não se sentirem totalmente perdidas... essas sementes criariam explicações,


Apenas para não enlouquecerem...


Então se chamariam de especiais... e então se achariam as escolhidas por algo maior


Para guiar este mundo grande e estranho em que vivem...


Sabem sempre que seu fim esta por vir a cada momento....


Talvez um dia porem... uma se questionaria se essa vida teria algo mais, ou se era apenas aquilo, nascer, crescer, dar frutos (infinitamente), até chegar sua morte?


Esta arvore que vai chegar a conclusão que, só pensamos que somos especiais simples e unicamente por que pensamos!


Somos nós humanos como essas arvores de uma realidade fictícia.


A vida não tem um sentido maior... Pois todos os sentido que podemos colocar nela.... Foram criados pelo pensamento humano, e apenas ao mundo humano pertence. O único desejo humano independente do nosso pensamento é o desejo, e este é o sentido único da vida... Assim como tudo no planeta, nós devemos nascer, crescer, procriar e morrer, nosso motivo é a perpetuação de nós mesmos até que um dia isso não seja mais possível.


Esqueça seus sonhos materiais e que foram criados pelo homem pois eles são falsos, são apenas mentiras elaboradas para nos dar um sentido que não existe.


Abra os olhos e veja o que realmente você quer!!


Você quer apenas alguém do seu lado, pra ser seu. Perceba


Você pode ter tudo do mundo humano, todos os seus sonhos podem ser concretos, mas a felicidade só se torna completa quando compartilhamos nossos sonhos e realizações com outra pessoa.


 


Você como eu pode achar isso tão fútil! Amar, fazer filhos, qualquer um pode fazer isso, se você se acha maior que isso, acha que esse não é o sentido real da vida, você vai tentar ser diferente de todo mundo... você vai querer deixar para todos o que é a Vida pra você.


Muitos vão conseguir, outros vão ficar apenas na vontade.


Alguns vão ficar tão obcecados por isso, que vão esquecer ou não vão conseguir cumprir a verdadeira felicidade de amar e de ser amado... do amor mais nobre ao amor mais mentiroso sujo e falso, isso é o que todos buscam.


 


Eu não sei me encaixar nessa realidade... Viverei então a par dela... Tentando então mostra o que eu acho da vida, mesmo que seja inútil deixar meus pensamentos e partes de mim para uma raça que eu odeio: O Ser Humano.


 

segunda-feira, 1 de maio de 2006

sabe quando vc tem a impressão q ja disse tudo? então... Suplica momentanea. (repet)


Suplica momentânea


 


 


Palavras já não podem descrever


Os sentimentos que não consigo esconder


É uma tristeza uma solidão


Que me integra na total escuridão.


 


Estou perdido e não há caminhos,


Estou sozinhos e não vejo amigos


Estou caindo e em desaninho


 


Estou chorando as magoas do destino.


 


Não vejo a luz que quero encontrar


Não sei se existe um lugar,


Onde eu possa em fim estar em casa


Onde a alegria não seja escassa.


 


Eu apenas não quero estar sozinho


Busco a rosa sem espinho,


Alguém, alguma coisa ou algum lugar

Onde eu possa me encontrar.

sexta-feira, 21 de abril de 2006

Voltando ao passado mais uma da minha expo(repedito) mas q volta a falar sobre algumas coisas q estive pensando


Salve me.


 


(Um dos últimos desenhos.).


Amor, paixão... Que besteira.


Falam tanto disso. Essas duas palavras


Já não fazem mais sentidos,


Pelo menos, não o que eu busco.


Porque já foram muito corrompidas.


A Libélula e o Cisne, minhas duas razões de viver,


Que no entanto só me deram dor e morte.


A libélula,


O Começo do Amor Mais Interno que Libertou minha Alma,


E que há muito já perfurou meu coração


Deu-me um presente, junto com a ferida que ela me fez,


Ela me deu a cura: os desenhos.


A ferida cicatrizou, mas eu achei que precisava de mais.


E pra minha tristeza, eu perdi o meu remédio.


Parei de desenhar.


Mas o Cisne me trouxe muitas caixas dessa “droga”,


E meu remédio voltou a me dominar.


O Cisne,


A Sabedoria Amadurecida em Mil vezes do Amor,


No Topo da minha Alma,


Fez algo mais que a Libélula.


Alem de perfurar meu coração, ele também rasgou minha alma,


E dela, começaram a sair pensamentos,


Que se transformaram em letras, e depois em palavras...


E por ultimo em versos de solidão.


O Cisne me deu este presente, pois junto com a dor na minha alma,


Ele me deu, um novo remédio que ameniza as duas feridas.


A do meu coração e a da minha alma.


Agora desenhar já não adiantava, pois esta “droga”,


Já era comum em mim.


Por isso surgiram as palavras nos meus desenhos.


Agora só as palavras me libertam o único jeito de me salvar.

domingo, 16 de abril de 2006

o amanhã talvez...


estou do seu lado...


 


 


A sua dor é a minha dor


A sua lagrima é minha lagrima


Não te ter é uma triste verdade


Não estar ao seu lado é um  pesadelo


 


Sempre que quero limpar suas lagrimas


Não me é possível.


Te ofereço a felicidade,


Mas você se nega a ser feliz...


Eu quero e preciso de você


E você precisa de mim.


Pois comigo seu choro vai ser de alegria


Sua melancolia vai perder o sentido


Pois você vai ter achado o que procurava sem saber.

terça-feira, 11 de abril de 2006

mas cade as soluções??


 


 


Bom sem poemas... mas to aqui de novo...


Escrever...


Uma forma simples de desabafo...


Pretendo aqui liberar e organizar minhas idéias


Sobre Mim, e o que eu penso ultimamente...


 


Estou cansado...


Sinto que falta alguma coisa a minha volta... não sei o q todavia.


É ter tudo e não ter nada.


Ver e não ver....


Sentir e não sentir....


Estou começando a desconfiar seriamente dos meus sentidos...


Muitas vezes... abraço alguém... beijo ou converso é nesses momentos que tudo parece totalmente vazio e in-real. Meus sentidos se mostram fracos... é como viver em um sonho...


Estou triste....


Tenho tantos amigos hoje, quanto jamais tive... saudades dos meus melhores amigos que agora estão longe... a aceitação te amigos novos... e carinho que recebo... são as únicas coisas que me sustentam... talvez...


Fora isso... fico perdido em meio a esse mundo... desiludido com alguns atos, feliz com outros... as vezes quero apenas ficar sozinho e me isolar... por sorte meus colegas e amigos não me deixam fazer isso... é bom saber que se é querido, de alguma forma... mesmo que seja a mais fútil. Pra enganar o coração e a alma.


Estou enlouquecendo....


Não paro de pensar um minuto... me indagando sobre todas as coisas.. as pessoas... os costumes... os acasos e/ou destinos... caminhos da vida, o que existe e o que não existe... o que eu sinto e o q não sinto. O que eu acho e o que é de fato... tudo isso... todo o tempo perambulando pela minha cabeça... que não quer parar... começo a criar estórias... de coisas, pessoas, faço hipóteses inúteis para o nada....


Quando não é isso... fico pensando no que eu gostaria de dizer para as pessoas que eu gosto... e que no momento estou com algum problema... penso em dizer a elas o que me incomoda, o que me agrada... fico pensando como eu diria isso... mas não digo... me falta a chance...


Estou confuso...


Estou interessado por algunas pessoas... mas não sei como nem pq... nem como evitar, nem se é possível conseguir algo... meu coração é um cego perdido na escura floresta, não sei o que quero... não se quero... não sei porem... tirar essas idéias da minha cabeça... penso em esquecer tudo... não consigo... duvidas e mais duvidas... voltam a martelar minha cabeça... sempre.... não tenho soluções... só tenho indagações.


Estou cansado...


Não quero continuar assim... não sei porém como acabar com isso...


Sou vitima de mim mesmo...

  Só quero ajuda...

quinta-feira, 30 de março de 2006

O Amigo e a Parede.... Quem você é?



É possível ser amigo de uma parede?

Uma pessoa atenciosa, que gosta de conhecer os seres diferentes, um dia decide fazer amizade com uma parede, dotado de total consciência, não era um louco, tentava apenas descobrir do que é feita uma amizade verdadeira... E nada melhor do que pedir a opinião de uma parede para o assunto, pois se elas tem ouvidos tudo sabem.. Já dizia o ditado...

Então um belo dia ele se apresenta...

—    Oi tudo bem? Chamo-me Amigo e você deve ser a Parede estou certo?

—    Sim, sim eu sei... Sempre passo por aqui... Te vejo, hoje resolvi parar e conversar um pouco....

—    Então que anda fazendo?

......

—    Como será ser uma parede?

—    Ummm imagino que você conhece todo mundo né!? Ta sempre ouvindo o que todo mundo aqui diz...

—    Parentes? A elas ali? Que se ligam com você? Ummm....

—    Bom, vou indo, amanhã eu volto e converso mais... Vou te trazer algumas coisas que eu gosto de fazer... Traz também ai vemos o que temos em comum.

Então o Amigo, visita à parede dia a pós dia, conta sobre sua vida, o que pensa sobre o mundo, mostra para Parede todas as suas qualidades, ele sente que esta agradando, afinal, a Parede nunca ia embora, ficava para ouvir, sugava-lhe informações.

Com o tempo e com intimidade, o Amigo presenteia a Parede com palavras, carinhos, e a Parede concedia um pouco de si para o Amigo, mas sempre impessoal e fria, parecia sempre se aproveitar do pobre Amigo. Que ingenuamente continuava a se dedicar a essa amizade que ele sabia no fundo não ter futuro... Mesmo assim continuava.

Havia algo na parede que o seduzia, sua dureza talvez, sua imponência... Talvez por que a parede parecia saber muitas coisas, mas só dizia o que lhe convinha.

O Amigo começa a se perguntar se valia a pena aquela amizade, será que estavam sendo amigos?

Ele já conhecia todo o jeito da Parede, sabia o que ela gostava e não gostava, se dedicava a ela. Sempre indo visitá-la, levando sempre o um pouco de si próprio e recebendo tão pouco da Parede, mas ela nunca ia atrás dele, não deixava recado se ele não deixava, contava tanto da sua vida quanto a qualquer outra pessoa, não demonstrava carinho nem afeição, nenhuma palavra que tivesse um sentimento, usando sempre de tons insípidos, a parede era fria e dura. Mas estava lá, quando o Amigo ia vê-la.

Ele então começa a se distancia, tenta achar a verdade, mas percebe, a Parede não se mostra tão interessada nessa amizade quanto ele... Em momentos parece que sim. Em outros...

Ele passa a esperar a Parede que nunca vem, ele nem sabia se ela estava lá, realmente... Não se podia ser amigo de uma Parede, que não mostra seus sentimentos, que se esconde atrás de tintas e tintas (mascaras e mascaras), que num momento mostra um lado, mas em outros momentos é totalmente diferente.

Ele então decide conceder uma ultima chance a Parede, mas parecia que o já tinha a resposta: não é possível um ser humano em sã consciência ser amigo de uma Parede. Tinha isso certo em sua cabeça, pois com esse relacionamento descobriu o que é a verdadeira amizade.

Uma amizade de verdade é feita de trocas, não de pedidos, nem suplicas, mas sim de consentimento e recompensas, a amizade verdadeira é maior do que a justiça, pois entre amigos se torna desnecessário o pensamento de justiça, pois existe o comprometimento o sentimento de dar e receber.

Por isso, entre amigos existe a troca de conversas, experiência, sonhos, desejos, segredos, compromisso, conselhos.

A Parede, nunca será uma amiga de verdade, muito relapsa em sua relação, não levava em conta os sentimentos do Amigo, nem ao menos dizia o que realmente pensava, era um escudo apenas, ela era apenas a Parede, os conselhos do Amigo batiam nela e caiam, e caiam também a preocupação e a demonstração de afeto do Amigo, ele contava suas experiências, mas a Parede não debatia, ela conhecia seus sonhos, mas ele não sabia os dela, nem dos sentimentos que ela tinha. Dura...

Não....

Não se pode ser amigo de uma parede.

Ao menos que você queira dedicar-se a alguma coisa que nunca vai lhe render nenhum sentimento real.

Quando então uma pessoa se torna uma parede?

quando esquece que as pessoas a sua volta precisam mais do que uma barreira contra o total frio do tempo. e sim de um aquecedor de reciprocidade.

e então??

***Jogador*** (buscando objetivos)

domingo, 26 de março de 2006

A suplica... o pedido ao mundo...


Suplica momentânea


 


 


Palavras já não podem descrever


Os sentimentos que não consigo esconder


É uma tristeza uma solidão


Que me integra na total escuridão.


 


Estou perdido e não há caminhos,


Estou sozinhos e não vejo amigos


Estou caindo e em desaninho


Estou chorando as magoas do destino.


 


Não vejo a luz que quero encontrar


Não sei se existe um lugar,


Onde eu possa em fim estar em casa


Onde a alegria não seja escassa.


 


Eu apenas não quero estar sozinho


Busco a rosa sem espinho,


Alguém, alguma coisa ou algum lugar

Onde eu possa me encontrar.

quinta-feira, 23 de março de 2006

Psicodrama, o texto alge de toda minha melancolia, que hoje ja foi superada... será?


Psicodrama


 


QUEM ?


QUEM  SOU  EU?


PENSEI SER ALGUÉM


PENSEI TER ALGUM FUTURO


PENSEI EM REALIZAR MEUS SONHOS...


 


E O QUE??


O que eu fiz?


NADA.


Deixei tudo acontecer


Do jeito mais FÁCIL.


DEIXEI a vida e não a cultivei.


 


Vi o mundo podre, triste.


Vi o ser humano nu.


Sem suas mascaras,


Sem seus esconderijos


Iluminei as suas sombras


O que eu vi foi suas mentiras,


Conheci o que eles escondem de pior.


 


ODIEI O QUE VI


ODIEI A MIM!


 


E onde?


Onde me escondi??


 


Me escondi em minha alma


Guardei tudo que eu queria dizer e fazer,


O estranho...


É que muita coisa


Começou a explodir


A minha alma queria falar...


Quem vocês são.


 


Deixei fluir somente o meu lado pessimista


Vi a falsidade, e a mentira,


Vi a rotina e a idiotice


Em cada palavra, cada ser,


Que se dirigia a mim.


Vi como as pessoas são volúveis


E cheias, cheias, cheias...


De falsos pudores.


 


Hipócritas...


 


Trancaram-me num lugar...


Escuro, e cheio de tudo que eu


Queria mostrar.


Desapareci em minha alma.


E ninguém veio procurar por mim.


Ninguém quis abrir a porta,


Ninguém tinha a chave?


Eu tentei, eu pedi...


Mas ninguém quis abrir,


Por isso fui morrendo...


Pouco a pouco...


Esse é meu ultimo suspiro.


Com um lápis.


A arma que eu sempre apontava minha dor...


 


Digo adeus.

segunda-feira, 20 de março de 2006

mais destaque.. as arvores q choram...


As Arvores dos Cemitérios.

 

 

Cresço em chão de terra firme.

Fertilizada pela natureza da vida.

Vivemos em meio à morte.

Figurantes.

Paisagem de passagens constantes.

Enfeitamos, com cores vivas,

O cinza dos que se vão,

A terra que me sustenta a vida.

Deixa em putrefação os mortos.

Contrastando o nascer, florescer,

Com o morrer, e apodrecer.

Trazem para enfeitar túmulos,

Rosas e flores coloridas,

Cores felizes para um momento de tristeza

Daqui de cima, as vejo também apodrecerem.

Morrem tristes e sozinhas, pois embelezam o fim.

Eu também vejo minhas filhas

Sendo levadas dos meus braços

Direto ao chão onde como que tocadas pelo fim,

Também morrem.

Não vejo a felicidade a minha volta.

Não me sinto feliz em permanecer onde tudo é passageiro.

Tudo aqui chega e se vai... Mais eu... Sou paisagem da passagem.

Minha beleza não é apreciada,

Velo o sono eterno de quem nunca chegou a me ver.

Descontentemente permaneço aqui.

Até que tudo em mim morra.

Mais meu corpo vai permanecer,

Como a lembrança eterna da morte em cima dos vivos.

Assustando a todos com meus galhos secos.

Até que um dia talvez, Me arrancarão da terra,

Que me deu a vida, e permaneceu comigo,

Até depois da minha morte.

O meu destino é ser sempre uma lembrança triste.

Ser elemento figurativo da perda eterna.