sábado, 18 de novembro de 2006

Salati! é assim que se diz : eu te amo.


O sol que me brilha,

Quando o meu, encontra o seu olhar,

Seu sorriso desperta algo em mim,

E o que posso fazer é me entregar,

 

Ir de encontro aos seus braços,

Sentir a alegria que o contato com seu corpo

Vem me proporcionar,

É como se finalmente me encontrasse

É como se esse fosse o meu lugar

 

Estar no seu convívio é estar vivo,

Posso ter tido um péssimo dia,

Mas tudo muda quando você esta comigo,

Agradeço então por ser seu amigo.

 

Tudo se completa quando estou junto de você

Mas o tempo é curto e sempre temos que nos separar,

É nessa hora que a tristeza volta,

Pois vou ter que esperar, longas e longas horas,

Para encontrar novamente o seu belo olhar.

 

Sinto ciúmes infantis,

Quando com outro esta a conversar,

Sinto que me falta um pedaço,

Sinto que estão a te roubar.

 

Faço de tudo para poder estar em sua companhia,

Quero te trazer toda felicidade que eu puder,

Quero entrar no seu mundo, e tudo nele concertar.

Quero ser seu porto seguro,

Saiba que em mim, você pode confiar.

 

O que falta para tudo ser perfeito?

O que me falta é você!

A cada dia que passa,

Sinto mais medo de te perder.

 

Você inspira a minha alma e me faz acreditar,

O que me tortura é o duvidar

Não saber o que posso te dar,

Não saber se quer se entregar

Para o que posso te proporcionar.

 

Não te prometo a perfeição,

Isso ninguém pode dar,

Prometo a ti uma bela canção,

Que por tempo indeterminado vai nos emocionar.

 

O melhor de mim, a cada segundo.

Ser-te especial como nenhum outro.

Estar contigo e ser sempre seu amigo

Alegrar seus sonhos, e acabar com seus pesadelos.

Ser verdadeiro a cada momento.

quarta-feira, 15 de novembro de 2006

o vento. obrigado Barbara (la folle) pela inspiração.


Olá, sou o vento,


E este é o meu lamento.


Apenas de passagem...
Sigo em frente, volto...
Nunca o mesmo,
deixo-me por onde passo,
agrego outros pedaços,
não ficarei,
mas te levarei comigo,
e quando eu parecer sozinho,
lembrarei de tudo que deixou,

seguirei novamente,
contente,
as vezes contra corrente,
as vezes contra eu mesmo.


 


Sou, e não sou,


Nada me prende,


Preso sou apenas o nada.


Aconteço no movimento


Morro em cada momento


Que barram o meu sonhar.


 


Seguirei novamente,


Preciso secar as lagrimas,


As minhas,


As suas,


As lagrimas do dês-mundo.


 


No seu sorriso me completo


Seu ser me preenche,


Pois eu sou vazio e in-concreto.


 


Dou a ti o meu adeus,


Sei q não serei teu,


Preciso secar as lagrimas.