sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Nem mesmo o tempo (pra não dizer que sumi)

Os anos passam como vento
Derrubam arvores, destroem construções
Mas também espalham vida, fertilizam corações.

Em cada tarde sombria
Ou dia ensolarado
Seja pela luz que invade o quarto
Ou os tons do céu que anoitece
Sempre me trazem você.

Não importa quanto eu lute
Ou o quanto eu tente esquecer
Mas as musicas que escuto
Sempre me lembram você

Nas palavras que me disse
Encontro dor e acalanto
Mas nada apaga o que sinto
Nada te apaga do meu pensamento.

Parece que tudo não passa de uma brincadeira
Que não faz sentido estarmos distantes
Que não devemos deixar esse sentimento ir embora
Esquecer todas as barreiras, viver apenas o agora.

Os anos passam feito vento
E por mais que eu queira
Ele não me leva você
E nem ao menos a traz de volta

Se nem mesmo o tempo
Pode destruir o que sinto por você
O que será preciso para apagar
Esse buraco com seu nome no meu peito?