domingo, 27 de setembro de 2015

Princesa Negra

Deem passagem,
É a princesa que vem!
Com sua coroa de cachos
De crespos embaraços
E beleza nunca vista

Ela é forte, demonstra no olhar,
Nas covinhas de seus sorriso
Que seu viver é sonhar.

Seus olhos são pérolas a brilhar
Seus lábios um doce convite
Completo exercício do fascínio
Um paraíso do desejar.

Deem passagem,
É a princesa que vem!
em cada gesto inspiradora
é aquela que supera.
Vence tudo que a tente parar
Pois o tempo não pode esperar.

Atenciosa, e doce
De um jeito que nunca imaginei
Surpreendente a cada momento
Apaixonante como nunca sonhei.

Sua pele negra, seus traços fortes
Espero um dia ter a sorte
De em meu peito repousar
E no encontro de um beijo
Tudo possa transformar.


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Lua da Manhã

Pálida sobre o azul
Resquício da madrugada.
Sem o cruzeiro-do-sul,
antigo parceiro de jornada.

Intrusa no céu da manhã
Aguarda a luz de seu amado
tingir de laranja, rosa e romã
Veludo outrora estrelado.

No perpétuo desencontro,
deixa-se distraída, atrasada.
Para talvez em um vislumbro
por seu astro ser avistada.

Quando ele chega, ela se apaga
Voltará a noite reconfortada
pela luz de se sentir eternamente amada.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Em seu nome, por sua amizade.


Mesmo que o tempo diga que não
Amanhece, e eu digo que sim,
Horas, dias e semanas... nada são
O seu olhar é o que importa pra mim.
Gestos e humor, uma tentação
Amiga, companheira, conselheira
Nas noites escuras, na cor do mogno
Yin, yang nos sonhos me espera.


Somente lá. 

segunda-feira, 27 de abril de 2015

O Segundo Adeus


As lágrimas rolavam
sem eu conseguir me conter
segurando meus sussurros
depois do anoitecer

Era o fim de fato
Nós dois seguindo em frente
com outro alguém ao lado
seguindo a corrente.

Era nosso segundo adeus,
este, talvez, o derradeiro
após confirmar nosso amor
e apontar seu paradeiro...

Não foi mais fácil que o primeiro...
e como o primeiro, veio de repente
parecendo irreal, forasteiro
contradizendo a felicidade presente.

Assim como a noite escura foi meu sol.
Assim como escolhi o deserto ao oásis
Assim como abri mão dos seus beijos,
por uma antiga miragem.

terça-feira, 21 de abril de 2015

As minhas 10 melhores da Discoteca Maia

Fiz uma lista com minhas 10 preferidas desde o começo do Rock Connection com Tatola Maia Viva o Rock e as dicas do grande Roberto Miller Maia na 89 fm.
Como é comum em uma lista das "10 mais", muita coisa ficou de fora, porém sempre é um exercício divertido.
Critérios: Bandas que não conhecia; Uma musica de cada; Gostei tanto que procurei mais músicas.
1- Sweater Weather – The Neighbourhood
2- Big Mouth – Name the Band
3- The Hard Way – Dexters
4- It Starts and Ends With You – Suede
5- I Always Knew – The Vaccines
6- Do you – Spoon
7- Cough Syrup – Young The Giant
8- Hold On – Alabama Shakes
9- What a Shame - The Strypes
10- Show Me The Wonder – Manic Street Preachers
Menções Honrosas
1- The Struts - I Just Know
2- Jake Bugg - Two Fingers
3- Of Monsters And Men – Mountain Sound

domingo, 29 de março de 2015

Das piadas na caverna até os memes do Whatsapp


Foi assim com o e-mail também, aos poucos uma ferramenta de utilidade na comunicação, vai sendo invadida por conteúdo inútil.
A febre na época eram os power points animados, com música e glitter. Eram todo tipo de mensagem, auto-ajuda, fé, segurança pessoal, variadas historias mentirosas sobre drogas, doações para curar doenças raras e claro, correntes.

No Whatsapp, não demorou nada pra esse tipo de coisa acontecer, a facilidade multimídia de hoje é tão mais simples!
Os grupos do Whats parecem que já foram criados pensando em ser o próprio inferno, a oficina do "capetinha do Spam."
Em uma semana em grupos que você foi adicionado (às vezes por vontade, outras não) e seu celular estará lotado de imagens que pretendem fazer graça utilizando, gordos, feios, velhas, pobres, negros ou gays, as vezes um combo de todos eles, videos de criancinhas, gatos e idiotas em panico xingando alguém do PT.
Mas na verdade a ideia era separar grupos de interesse e facilitar a comunicação entre eles.

O fato deste mecanismo de conversa estar literalmente sempre a mão, nos dá uma ideia errada sobre como utiliza-lo. Por exemplo, não é preciso desejar bom dia a todos os seus grupos pela manhã, isso vai gerar um ciclo de mensagens inúteis! Não é como se todos os seus contatos estivessem no seu quarto quando você acorda. Muito menos envie videozinhos e imagens virais do tipo "este grupo ta muito parado!".

Este é um fato que demorei alguns dias para entender, confesso. Não fiquei dando bom dia, nem nunca compartilhei "piadinhas" de grupo em grupo, mas aproveito para me desculpar com meus amigos, por tentar travar conversas como nos tempos dourados do MSN, rs...

Agora eu entendo que as pessoas sem interesse em conversar antes do whats, continuam do mesmo modo.

Que tal utilizar a ferramenta para marcar um encontro de verdade?
No mundo real a chance de as pessoas se ignorarem como no zapzap é bem menor. Pois, a falsa impressão de disponibilidade também permite que a pessoa do outro lado simplesmente deixe de te responder, muitas vezes não por má intensão, mas por indisponibilidade (geralmente mais mental que física).
Deve ser por isso que os desenvolvedores criaram os dois vistos azuis, assim você sabe que foi deixado no vácuo e vai seguir gostando do aplicativo, transferindo sua raiva e frustração diretamente para o destinatário relapso.

E assim, criamos mais problemas que poderíamos viver sem.

Talvez eu esteja sendo raso, vai ver os homens da caverna já deixavam piadas e mensagens com "aumente seu pênis" nas paredes.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Do fim de uma amizade

feita para a arte
feita com arte,
não estou falando de beleza
pouco menos de delicadeza

não é disso que ela é feita

mas do mistério que instiga
das verdades que guarda
dos corações que esmaga
dos rabiscos da madrugada

do recorte colorido
que do mundo
teima sempre em criar...
com cliques, coração e olhar

da forma que ignora
todas as palavras...
outrora...
desejadas...

Na verdade, este poema não fala do fim de uma amizade, porém após ele, um laço se desfez de forma abrupta. Parte dos motivos talvez estejam naquilo que deu impulsionou a criação dos versos  - causa e efeito.

domingo, 15 de março de 2015

Bem vindo ao maravilhoso mundo de problemas que você não tinha! (ou seu novo Smartphone)


Finalmente me mordeu.
O vampiro da tecnologia, mais precisamente o perverso o Espertofone.
Não sou contra a tenologia, ou nostálgico pela máquina de escrever e a carta, mas sou contra o consumo desenfreado pelo novo e também contra essa febra de fetiche de celulares.
Sempre busquei que meus celulares durassem anos, e minha unica preocupação com eles era a de que fizessem ligações e me mantivessem em contato com meus amigos e familiares.

Por isso tive apenas 3 aparelhos em minha vida, e todos só foram trocados por que não funcionavam mais.

A algum tempo atrás em posse do meu segundo aparelho, decidi que seria a hora de trocá-lo e então pretendia escolher já um smartphone  para ficar uns bons anos com o mesmo. Porém no meio do caminho acabei ganhando de presente um aparelho novo e bem legal, porém sem muitas funcionalidades. o que me faria ter que substitui-lo em um momento próximo.

Relutei ao máximo para fazer isso, pois foi um presente de uma pessoa muito querida, mas acabei não tendo outra escolha.

Agora estou eu nesse novo mundo. buscando aplicativos, dividindo meu tempo em grupos, tentando limpar a telinha engordurada, sempre com um carregador em mãos.

Existem inúmeras facilidades em um espertofone, logo no primeiro dia, como bom virginiano baixei aplicativos de blocos de notas, agenda de tarefas e outros organizadores.

Também baixei aplicativos para meu curso de inglês e de música.

Uma outra facilidade são os aplicativos de conversa como o Whatsapp e tal.
O problema maior são as piadinhas e videos idiotas que as pessoas ficam compartilhando, bem pior que aqueles spam de e-mails e mais frequentes.
Uma outra coisa irritante é a facilidade que as pessoas tem de te ignorar através desses meios de comunicação.
Por inúmeros motivos, acaba sendo fácil de ler a mensagem de um amigo, pensar em responder, e acabar não fazendo isso.

Nada melhor que uma conversa em carne e osso.

Ainda estou relutando para as preocupações de películas e capinhas, mas é inevitável, afinal parece que essas telas foram feitas para quebrar!

Bem vindo ao maravilhoso mundo, com novos problemas, soluções que não precisava (não muito)
O desafio é não deixar que esse mundo de possibilidades, tome conta da sua produtividade.
Um grande dilema para todos.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

A arte espetáculo de Ron Mueck



Ontem foi o ultimo dia de exposição de Ron Mueck na Pinacoteca do Estado, uma daquelas exposições que todo mundo quer ir ver, com filas enormes e gente tirando selfie na frente de todas as obras.

Por eu odiar filas, tentei evitar ao máximo e esperava uma alternativa para não passar pelo martilho, porém não teve como, o resultado de tanta enrolação foi que me sobrou apenas o ultimo dia de exposição para apreciar o trabalho do australiano.

Conheci o trabalho dele em algum momento na faculdade, e sempre me interessou suas figuras em grandes escalas com suas posições melancólicas, caras de doente e entediadas.
O hiper-realismo realmente é fascinante e sempre achei que seria mágico estar diante dessas obras.

A sensação real acabou não correspondendo as expectativas (é o que geralmente acontece), mas nesse caso, em especial, foi muito boa a não correspondência para mim como artista. Explico.

Primeiro, as obras mais interessantes de Mueck, que são as de grande escala, não estavam na mostra, somente duas, a do casal de velhinhos e o frango morto. as outras eram as versões menores, que são interessantes, porém não causam o mesmo efeito com suas faces tristes tão pequenas.
Segundo, que não consegui sentir em suas obras um discurso poético verdadeiro. Seus bonecos totalmente higienizados e com suas imperfeições calculadas, parecem dizer muito de uma "punhetagem" técnica e pouco de uma pesquisa em arte.
Senti que suas obras nasceram para ser apenas uma arte espetáculo, a busca do detalhe pelo detalhe, da perfeição apenas pelo prazer da mímese.

O resultado disso é a fascinação imediata do público, que tirava fotos compulsivamente, parando apenas de frente com as obras, as apreciando quase como retratos bidimensionais e transformando-as nisso com suas maquinas fotográficas e Smartphone.

As peças de Mueck, que transmitem algumas narrativas em suas composições, pareciam incapazes de trazer algum incomodo ao publico, apenas o deslumbramento pela representação minuciosa de formas reconhecíveis.
Apesar do realismo, talvez a falsidade, impeça as pessoas de ter alguma empatia... A mímese exuberante é capaz de gerar frases engraçadas como as de uma moça  "Nossa, parece uma pessoa", a de uma menininha "que peru enooorme!" ou de um rapaz "Ele pega uns detalhes né?". Mas parece incapaz de gerar compaixão pela mãe cheia de sacolas com seu bebe preso ao peito, ao jovem negro sangrando, ou o homem nu solitário em um barco.

Quando Mueck tira a escala gigantesca de suas obras, seu trabalho perde 90% de sua força, juntando com a ausência perceptível da passagem do tempo, a limpeza das peles e roupas de seus personagens transformam suas perfeições em mero objeto de decoração. O único registro de tempo que podemos apreender de suas obras é pelo fato de deduzirmos o processo de confecção. Então, os videos mostrando as fases de construção das esculturas encaixam perfeitamente como mais um registro narcisista de seu oficio perfeccionista, eles tem o objetivo de mais uma vez impressionar o público por seu esmero.

Voltando a peça Youth - unica obra que retrata um negro na exposição e também é o único que sangra, com uma ferida em seu tórax, uma cara aflita e os pés descalços.
Chamou-me a atenção, pois é uma obra que foge totalmente das escolhas temáticas das outras expostas.
Todas as outras esculturas estão em estados contemplativos, com semblantes tristes, preocupados, ou alheios, porém nenhuma delas trás uma narrativa de violência, nem mesmo o frango pendurado verte uma gota de sangue por sua garganta degolada.
E foi estranho para mim, ver uma pessoa apontar para o frango e falar "Nossa, igualzinho, tem até os pelinhos que ficam depois que a gente depena ele" e do mesmo modo uma outra dizer "hahaha, olha ali, igualzinho com a cueca lá em cima e a calça lá embaixo".
Levando em conta o perfeccionismo do artista me intriga tanto a escolha da imagem como também o nome "Juventude". O Objetivo pode ter sido o de critica? Uma escolha preguiçosa? Quis mostrar o que vê, como vê?
Proponho o exercício de imaginar todas as outras obras da exposição com a pele negra, e apenas esta como branca. Imaginem, e tentem interpretar essas imagens. Elas ganham bem mais força, porém acredito que neste caso, o garoto branco esfaqueado traria mais comoção. Quem sabe?

Foram 5 horas de filas para 9 obras, mas tudo bem, valeu a pena. Acredito ser positivo essa mobilização do publico para ver exposições, e mostras hypes como essa ajudam a financiar a vinda de artistas que não são tão queridinhos do público, mas que são bem melhores que esses.

Por fim, parabéns Ron, você é muito foda, mas prefiro um Mimo Paladino, um Juan Muñoz, uma Mary Frank ou tantos outros.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

As vezes me pergunto sobre o fim

As vezes você me matava
Respondendo te adoro
Quando eu dizia que te amava

As vezes me trazia a vida
Ao dizer te amo
Em uma despedida

Pra meu tormento
As vezes dizia,
Que meu sentimento
Não existia

Por que tudo tem fim?
Você me pergunta
Como se ele
fosse criado por mim.

A noite acordado
Velando seu sono
Meu peito apertado
Sabor de abandono

Corpos colados
Com alma e coração
Depois de extasiados
Chega o fim da canção.

O adeus é uma tortura
Quando tudo que se quer é ficar
Lá fora tudo é procura
E estar com você é me encontrar.

Por que tudo tem fim?
Porque tudo tem que começar!
Cada pedaço que eu arranco de mim
Cresce ou morre em outro lugar.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Juntando pedaços


"Livre da responsabilidade do seu amor eu posso me destruir sem remorso algum"

"Crio uma frustração na estória sobre algo muito bom que esteve muito próximo de acontecer, mas um erro pequeno fez essa perspectiva perecer"

"Um jarro cheio de pequenas hipocrisias"

sábado, 10 de janeiro de 2015

Inspirações vindas do Cordel


Após ler um cordel
Fica o estranho sentimento.
Cresce em nós uma vontade
De fazer verso a todo momento

É como se o mundo fosse poesia
Até mesmo em pensamento
E num planeta rimado
tudo fizesse mais sentido.

E não é difícil de imaginar
a vida num quebra-cabeça
onde peças se juntam para rimar
E o encaixe faz que algo aconteça.

sábado, 3 de janeiro de 2015

Lista - As Bandas e músicas mais ouvidas em 2014

Acho lista uma coisa legal, porém nunca me lembro de faze-las. não tenho aquela disciplina para anotar os livros, filmes e álbuns que ouvi durante o ano.
Porém pra ajudar eu sempre tento usar o Last.fm com meu Windows Media Player (prefiro ele ao Itunes) e ai consigo ter mais ou menos um parâmetro para estas listras a seguir.
O problema é que acaba não entrando na contagem as bandas que escuto no celular então o Last é um retrato mais ou menos que vou tentar ajustar aqui.

Segue as Listas.

Bandas mais ouvidas em 2014

10 - HIM - relembrando o passado, HIM aparece mais pelas músicas antigas, seus álbuns novos não me agradaram muito.




 09 - Spoon - Conheci esta banda no finalzinho do ano, escutei o ultimo álbum "They Want My Soul" centenas de vezes no celular e a musica "Do You" milhares de vezes, se tivessem entrado na contagem do Last. ela talvez estivesse em segundo lugar.
 Com um tom melancólico, guitarras melódicas e uma textura musical que muito me agrada, está ganhando espaço nas bandas "ótimas" mas falta algo pra chegar na prateleira de "bandas do coração"




08 - The Neighbourhood - Banda nova com apenas um disco lançado (em 2013) com todas as músicas do disco muito bem feitas, o que aconteceu foi que eu colocava ela pra dormir toda noite e ia ouvindo o album todo e acordava ouvindo! Viciante. "How" é uma das minhas favoritas junto com "Sweater Weather".Uma massa sonora, cheio de texturas, uma banda pra se ouvir no fone e viajar.




07 - City and Colour - Comecei a ouvir a em 2013 com o recém lançado (na época) álbum  "The Hurry and the Harm".Na lista do ano passado ela ficou em 1º lugar. Um disco cheio de coisas boas, as minhas preferidas são a faixa titulo, "Of Space and Time" e "Two Coins" só pra ficar nessas três, porém da pra ouvir do inicio ao fim numa boa. Durante o ano fui ouvindo a discografia do Dallas, e aumentando minha lista de músicas preferidas. Se o Last contasse as vezes que foi executada no meu celular o City estaria no primeiro lugar novamente, sem dúvida.
Ano que vem vai ter show deles aqui em SP e meu ingresso já está comprado!




06 - The Beatles - Uma das minhas bandas preferidas, naturalmente não faltou este ano, e ainda teve um "agravante" Show do Paul em SP, que tive a sorte de ir.
Deles gosto mais dos últimos álbuns e geralmente fico ouvindo do "Let it Be" até o "Revolver", mas não resisto as vezes desço do "Help!" até "With The Beatles".
Dentre as minhas favoritas, esta a seguir, é a que mais escuto, e ouvir o Paul cantar ao vivo já valeu a vida! hahaha



05- Banda do Mar - Figurando entre as cabeças depois de chegar no segundo semestre do ano, a banda do Camelo e da Mallu me surpreendeu.
A Mallu está até suportável, sua voz amadureceu e ela esta cantando melhor, menos desafinada e menos irritante, porém algumas músicas dela eu sou forçado a passar, suas letras ainda não tiveram a mesma evolução que sua voz. Quem sabe na próxima?
O que mais gostei foi mesmo do Camelo, que quase resistiu em não incluir a sua musa "Morena" em nenhuma música, não conseguiu, mas ela aparece ainda bela.
Puxando o disco com "Cidade Nova" uma bela batida que nos dá aquela saudade do Los Hermanos,
com certeza foi "Pode Ser" e "Vamos Embora" que colocaram a Banda entre as primeiras, ficou no repeat loucamente. O disco tem lindas músicas. Fiquem com a "Little Joy" do Marcelo.




04 - Arctic Monkeys - Este sem dúvida foi o ano deles e, como minhas bandas ex-indies estão muito famosas e fraquinhas, o Monkeys deu uma revigorada com o AM, responsável por trazer a banda para as mais ouvidas do ano, gostava de algumas músicas dos discos antigos mas foram "Knee Socks"e "One For the Road" que fizeram o disco ficar no repeat e subir tantas posições.



03 - Weezer - Uma banda que acaba sempre aparecendo pra mim durante o ano, vai ter sempre aquele fim de semana que vou ouvir Weezer até enjoar, o ultimo disco que realmente gostei deles foi o "Make Believe" os três últimos salvavam uma música ou outra naquele bolo de 14/15 faixas, porém o "Everything Will Be Alright in the End" trouxe o velho Weezer com belas músicas, ótimas guitarras, um álbum que dá pra ouvir inteirinho. Acabei revisitando os outros 3 mais recentes para ver se não tinha me escapado nada, e unindo com a dose normal da banda nos meus dias, eis que figura no pódio do ano.
"Da Vinci", "Cleopatra" e "Foolish Father" são as minhas preferidas no momento.
Videozinho com apresentador errando o nome do Rives hahaha muito Weezer isso!




02 - Radiohead - Sem nenhuma novidade desde 2011, com o fraquinho "The King of Limbs" que tem alguns belos momentos, ótimo pra se ouvir a meia luz no fone, porém não chegou perto de um "In Rainbows " ou "Ok Computer". Porém, ao lado de Legião, eles são A banda do coração, por isso o ano todo é regado a Radiohead e naturalmente eles estão na cabeça na lista. uma novidade é que "Weird Fishes/Arpeggi" foi mais executada que "Nude" então ai vai!




01 - Placebo - o "Loud Like Love" lançado em 2013 tem todo o mérito por traze-los ao primeiro lugar, junto com a obra que sempre o fez figurar entre as minhas bandas mais ouvidas desde 2006.
O disco está lotado de músicas boas, dentre as minhas preferidas ficaram "Begin The End", "Too Many Friends" e "Bosco".
Este ano teve show deles e infelizmente não fui outra vez. Mas promessa de vida, no próximo show deles no Brasil eu vou!.




As músicas mais tocadas em 2014

1 - U2 – The Troubles

2 - Dishwalla – Drawn Out

3 - Banda do Mar – Vamos Embora

4 - Placebo – Begin the End

5 - The Neighbourhood – Sweater Weather

6 - Spoon – Do You

7 - You+Me – No Ordinary Love

8 - Weezer – Da Vinci

9 - Kings of Leon – Supersoaker

10 - Trivium – Ascendancy


Depois vou tentar recuperar as listas dos anos anteriores e postar aqui também.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Para Abrir o ano

Abrir a Janela

O dia bate lá fora
A luz invade meu quarto
De olhos fechados e coração aberto,
Sonhos que ficam na espera.

Abri os olhos querendo não acordar
O sono era maior que a noite
E o Sol veio me beijar.

Beijou minha boca
deixou o gosto do desejo
abro a janela em meio a um bocejo

Levanto para o dia agarrar
Não me escondo nas cobertas
A vida não pode esperar

Sonhei com você
Só depois lembrei que não devia
Não posso mais ter sua companhia


A mente tem vida
adora uma fantasia
Coloca-me num precipício
e me empurra na descida

Abro a janela e desejo voar

Lá e de volta outra vez!


Para iniciar o ano resolvi centralizar meus blogs no domínio Blogger. Então trouxe o Zona Mental.

Este blog eu iniciei em minha adolescência e foi meu primeiro blog. No começo ele era hospedado pelo MSN no extinto Spaces que eram unidos as contas do messenger e do e-mail. (Velhos tempos!!!)

Era bem legal, você postava algo no Space e aparecia no seu status do Messenger, ai a galeria já ficava sabendo, saudades!

O Space e o Zona Mental serviram para externar sentimentos e dúvidas, serviu para cultivar amizades e me interessar pela escrita de fato.
Não sei como, mas no primeiro ano fiz em torno de 50 postagens, os anos foram passando e as postagens diminuindo.
Isso aconteceu por eu não ser mais um estudante com tempo vago, mas também porque passei a publicar mais coisas nos meus outros blogs, como também pelo fato de não escrever nem poemas nem textos poéticos como antigamente.

Já teve anos que me prometi e prometi até mesmo para o blog em postagem registrada que voltaria a escrever mais e publicar mais.

Sei que nunca vou chegar ao ritmo daquele 2005, aurora da vida, porém não custa tentar.

Juntamente com este blog estarei publicando coisas no blog 13 Preto e Vermelho (todo dia 13 e videos em datas variadas)

Assim como no Caixa dos Contos - sempre que possível contos dos argumentos de livros que nunca terminei.

E também no Desenhos e Devaneios - Desenhos, pinturas e etc.